PROPOSTA DE VENDA FRACIONADA DE REMÉDIOS PARA ANIMAIS VOLTA À CÂMARA

//PROPOSTA DE VENDA FRACIONADA DE REMÉDIOS PARA ANIMAIS VOLTA À CÂMARA
Retorna à Câmara dos Deputados projeto que permite a venda fracionada de medicamentos em clínicas veterinárias e pet shops (PLC 59/2017). É o que informa a Agência Senado. O texto, um substitutivo, havia sido aprovado no último dia 28 e foi confirmado pelos senadores em turno suplementar de votação. O projeto, de autoria do deputado Ricardo Izar (PP-SP), prevê que o fracionamento deverá ser feito pelo veterinário responsável pelo estabelecimento. Na análise da CAS, a senadora Lídice da Mata (PSB-BA) apresentou modificações ao texto. No relatório, Lídice destacou que o fracionamento de remédios veterinários já está regulamentado no Decreto-Lei 467/1969, que dispõe sobre a fiscalização de produtos de uso veterinário, dos estabelecimentos que os fabriquem. “O texto aprovado na CAS e confirmado pelo Plenário determina que as condições técnicas e operacionais necessárias para a venda fracionada sejam definidas em regulamento. Essas regras também definirão a necessidade ou não da “licença especial” junto à autoridade sanitária estadual e aos Conselhos Regionais de Medicina Veterinária, como propunha o projeto”, frisa o texto.

Relator da reforma da Previdência retira BPC e trabalhador rural da proposta

O relator da reforma da Previdência (PEC 287/16), deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), falou, em Plenário, sobre a proposta. Ele disse que o governo optou por não analisar a matéria neste ano para não correr riscos. “Essa PEC não pode ir à votação com qualquer margem de dúvida quanto a sua aprovação”, apontou. “Resolvemos convergir para um texto, ainda não apresentado de maneira oficial, que excluiu qualquer menção acerca do trabalhador rural”, afirmou. A Agência Câmara Notícias enfatiza que o trabalhador rural, pelo texto original da PEC, deveria comprovar contribuição. Maia disse ainda que a PEC estenderá para servidores estaduais e municipais as regras já previstas para o servidor federal – aqueles que entraram no serviço público a partir de 2013 se aposentam com o teto do Regime Geral de Previdência e podem complementar a renda por meio de fundo de previdência complementar, no caso, o Funpresp. “O que fica na PEC é o fim dos privilégios. Uma mudança que já existe para os servidores federais deve valer para os estados e municípios”, completa Maia.

Comfrio inaugura duas unidades de armazenagem de sementes

A Comfrio, especializada na armazenagem de alimentos a frio, anunciou a inauguração de duas unidades para armazenagem de sementes de milho e de soja. Nestas unidades, a Comfrio investiu R$ 2 milhões em tecnologia de gestão, que possibilita controle online da unidade. De acordo com o Valor Econômico, novos projetos estão previstos para o ciclo 2018/19 e elevarão a capacidade em cerca de 50%, com mais unidades em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, afirmou Evandro Calanca, presidente da empresa. Em 2017, a empresa estima fechar o faturamento com R$ 400 milhões. E, desse total, R$ 50 milhões virão da área de sementes. Na área de sementes, a Comfrio tem oito unidades distribuídas entre: Paraná, São Paulo, Goiás, Mato Grosso e Minas Gerais. Os clientes são da indústria, entre eles, DowDupont, Nidera, Monsanto e Syngenta. “O negócio principal da Comfrio na área de sementes é milho — com 90% do volume desta cultura. Com 22 unidades espalhadas pelo país — incluindo o braço que atende restaurantes e o que atende a armazenagem de carnes e sorvete para a indústria –, a Comfrio administra mais de 1 milhão de metros cúbicos de capacidade de armazenagem”, diz parte do anúncio da Comfrio.

Dívida de usina tende a nova baixa nesta safra

No próximo dia 31 de março, quando terminará a safra sucroalcooleira 2017/18, o segmento deverá ter reduzido o peso de sua dívida bancária por mais uma temporada, consolidando o ciclo de recuperação após a grave crise enfrentada na primeira metade da década. Essa retomada, porém, não garante que haverá mais recursos do que havia um ano antes no caixa das usinas na próxima safra. Levantamento do holandês Rabobank, considerando uma carteira com 32 grupos de usinas, mostra uma dívida média de R$ 119 por tonelada de cana moída no fim da safra 2016/17, 12% abaixo da temporada anterior, ou 17% a menos, considerando a inflação. Neste ciclo, a relação deverá ser ainda menor. O Valor destaca que a expectativa é positiva para a safra 2017/18 pelo fato de muitos clientes do banco terem feito hedge de açúcar e de câmbio no fim do ciclo passado e no início da temporada atual, antes de a cotação do açúcar despencar. No levantamento do Rabobank, que reúne empresas que moem 50% da cana do país, as usinas mais bem posicionadas encerraram a safra passada com dívida entre R$ 19 e R$ 101 por tonelada de cana, enquanto o grupo em pior situação ficou com dívida entre R$ 139 e R$ 227 por tonelada. Essa disparidade ocorre mesmo em uma amostra mais saudável.

NA IMPRENSA
Mapa – Presidente do Codex Alimentarius quer maior aproximação com organismos internacionais

Embrapa – Tecnologias sociais transformam a realidade no no nordeste paraense

Embrapa – Embrapa lança a primeira cultivar de maracujá-doce

Ibama – Ibama embarga 600 hectares e apreende mil toneladas de soja na Mata Atlântica (PR)

Câmara dos Deputados – Debatedores denunciam violações ao direito de propriedade por indígenas no PR e MS

Câmara dos Deputados – Relator da reforma da Previdência retira BPC e trabalhador rural da proposta

Senado Federal – Proposta de venda fracionada de remédios para animais volta à Câmara

G1 – Abate de suínos no 3º trimestre tem o melhor resultado desde 1997, diz IBGE

O Estado de S.Paulo – Regina Pitoscia – Onde encontrar os CDBs que rendem mais do que a caderneta

Valor Econômico – Comfrio inaugura duas unidades de armazenagem de sementes 

Valor Econômico – Demanda externa impulsionou abate de bovinos no 3º trimestre 

Valor Econômico – Exportação de carne pode quebrar recorde em 2018 

Valor Econômico – Dívida de usina tende a nova baixa nesta safra 

Valor Econômico – Desembolsos do BNDES para o setor caíram 10% neste ano 

Valor Econômico – Commodities Agrícolas 

Zero Hora – Com redução de preços nas sacas de arroz e soja, agricultores ainda não projetam aumento de lucro para safra deste ano

Portal do Agronegócio – Alimentos seguram taxa e IGP-10 fecha o ano com deflação de 0,42%

Portal do Agronegócio – ECONOMIA: Fazenda eleva projeção de crescimento da economia para 3% em 2018

Portal do Agronegócio – Carne de frango inspecionada: volume 1% maior até setembro

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.