PRODUTORES DE MEL ESTÃO ISOLADOS NA LUTA POR NORMAS PARA DEFENSIVOS AGRÍCOLAS

//PRODUTORES DE MEL ESTÃO ISOLADOS NA LUTA POR NORMAS PARA DEFENSIVOS AGRÍCOLAS

Os criadores de abelhas melíferas estão tentando criar normas para a convivência pacífica com os agricultores usuários de agrotóxicos, mas têm sido praticamente ignorados pelos empresários agrícolas e pelas autoridades, tanto que a Câmara Setorial de Abelhas, Produtos e Serviços da Secretaria da Agricultura do Rio Grande do Sul não encaminhou ao Conselho Estadual do Meio Ambiente uma sugestão de regulamento discutida internamente em janeiro de 2018. De acordo com o Jornal Já, é consenso entre os apicultores que no contato com agrotóxicos, as abelhas campeiras, que abastecem as colmeias com néctar e pólen, perdem o senso de orientação. Como se estivessem drogadas, morrem no campo sem voltar a seus ninhos. Das que retornam, algumas contaminam as companheiras, contribuindo para liquidar suas famílias. Detectado em 2007 nos Estados Unidos e na Europa, esse problema foi denominado ‘síndrome do colapso das colmeias’ porque o desaparecimento de grande número de abelhas chega a paralisar a produção nos apiários. “De qualquer forma, não há dúvida de que as abelhas não têm defesa senão afastar-se dos locais onde são aplicados agrotóxicos”, afirma o jornal.

 

Camex zera imposto de 11 ingredientes ativos de inseticidas



O Comitê Gestor Executivo da Câmara de Comércio Exterior (Gecex/Camex) decidiu nesta terça-feira (25) zerar a tarifa de importação de 8% que incidia sobre 11 substâncias presentes em 60% dos inseticidas utilizados no país, informou o ministro da Agricultura, Blairo Maggi. É o que informa o Valor Econômico. A redução do imposto de importação vale para os seguintes ingredientes ativos de inseticidas: bendiocarbe, bifentrina, clorfenapir, ciflutrina, deltametrina, etofenprox, fenitrotion, lambda-cialotrina, malathion, pirimfós-metila, ou propoxur. “De acordo com o Ministério da Agricultura, o pedido foi feito em caráter de urgência, já que essas substâncias são utilizadas em cultivos como: soja, milho, arroz, amendoim, batata, cana-de-açúcar, cebola, citros, feijão, girassol, palma forrageira, pastagens, pepino, sorgo, tomate e trigo”, informa o Valor.

 

Crédito rural a juros pós-fixados terá ‘segunda chance’



O Conselho Monetário Nacional (CMN) confirmou as expectativas e decidiu nesta quarta-feira (25), que os bancos terão mais dois meses para começar a ofertar crédito rural a taxas de juros pós-fixadas atreladas à inflação nesta Safra (2018/19). De acordo com determinação do CMN, as instituições financeiras ficarão desobrigadas a operar com essa nova modalidade de financiamento ao agronegócio até o dia 30 de novembro. Logo, a medida só começará a valer a partir do início de dezembro. Conforme o Valor Econômico, a nova modalidade de crédito rural foi a principal novidade do atual Plano Safra (2018/19), que entrou em vigor em 1º de julho. “Deveria começar a valer na primeira semana de outubro, mas os bancos se queixaram de dificuldades operacionais e queriam que a nova regra só começasse a valer em julho de 2019”, destaca a matéria.

 

Seca acentua queda na produção de cana-de-açúcar no país



O jornal Folha de S. Paulo destacou que as usinas de etanol e açúcar no centro-sul do país estão antecipando a fabricação dos dois produtos na safra deste ano devido à seca prolongada. Sem chuva, as colhedoras de cana-de-açúcar tiveram mais condições de acessar as lavouras, o que acelerou a colheita. Além disso, a produtividade da planta caiu devido à estiagem e a projeção da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) é de que a safra atinja cerca de 560 milhões de toneladas de cana, queda de 6,04% em relação às 596 milhões de toneladas previstas inicialmente. Consequência da antecipação da produção, a entressafra será maior agora. O período normalmente vai do fim de dezembro a março e, nele, as usinas não moem cana e fazem manutenção das plantas industriais. É, também, o período em que o etanol tradicionalmente sobe de preço. O diretor técnico da Unica, Antonio de Padua Rodrigues, disse que o início da próxima safra, 2019/20, não deverá ser antecipado por conta do fim precoce da atual. Com isso, as usinas devem iniciar a moagem em meados de abril. “O diretor técnico afirmou que a oferta de etanol no período deve ser 15% superior à da última entressafra e que algum ajuste deve ocorrer”, enfatiza a notícia.

 

NA IMPRENSA
Mapa – Ministro promete defender preservação do banco de germoplasma do dendê 

 

MMA – Candidatura ao Conama vai até domingo

 

MMA – Substâncias perigosas em eletroeletrônicos

 

Embrapa – Setembro Amarelo: Ação conscientiza para prevenção ao suicídio na Embrapa

 

Embrapa – Embrapa assina contrato para desenvolvimento de vacina da pasteurella e lança nova versão do Custo Fácil

 

Embrapa – Mais de 400 pessoas participaram do dia de campo sobre ILPF

 

Embrapa – Evento internacional debate perspectivas do ensino de Ciências Agrárias e Ambientais

 

Embrapa – Planejamento é essencial para atender demanda de forragem em fazenda

 

Ibama – Ibama, Exército e Funai desativam garimpos na TI Sararé, em MT

 

Fiocruz – Abertas inscrições para curso em comportamento, nutrição e bem-estar de animais de laboratório

 

Fiocruz – Tudo sobre os flebotomíneos do Brasil

 

Folha de S. Paulo – Vaivém das Commodities – Produção de grãos recua 12% nos países europeus nesta safra

 

Folha de S. Paulo – ICMS único para combustíveis pode matar a indústria do etanol, diz Fazenda de SP

 

Folha de S. Paulo – Seca acentua queda na produção de cana-de-açúcar no país

 

Folha de S. Paulo – Embraer fecha contrato para venda de 12 jatos a companhia suíça

 

Folha de S. Paulo – Como impedir a caça ilegal e proteger espécies ameaçadas?

 

G1 – Louis Dreyfus tem nova mudança na gestão com saída de presidente

 

Valor Econômico – Consumo de milho deverá dobrar em MT até 2023, projeta Rabobank

 

Valor Econômico – Estimativa para colheita de trigo no Paraná é revisada para baixo

 

Valor Econômico – Camex zera imposto de 11 ingredientes ativos de inseticidas

 

Valor Econômico – Crédito rural a juros pós-fixados terá ‘segunda chance’

 

Valor Econômico – Preço desestimula produção de feijão

 

Valor Econômico – Venda de etanol cresce 42% no mês

 

Valor Econômico – ANTT admite negociação sobre frete de retorno para caminhões vazios

 

Correio Braziliense – Mata Atlântica perde metade dos mamíferos nas últimas cinco décadas

 

Jornal Já – Produtores de mel estão isolados na luta por normas para agrotóxicos

 

O Nortão – Uso de vanilina em rações para bovinos melhora a palatabilidade e o desempenho animal

 

Mais Soja – A soja no Brasil é movida por inovações tecnológicas

 

Mais Soja – Fascinate BR no cenário atual da agricultura

 

Mais Soja – Eventos mostram performance do algodão TMG em três estados

 

Mais Soja – Ação in vitro e in vivo de fungicida sistêmico e multi-sítio sobre Phakopsora pachyrhizi em três cultivares de soja

 

Mais Soja – ALGODÃO: vendedor recuado sustenta cotações

 

Mais Soja – FCO: Mais 1 bilhão de reais para o setor rural até dezembro

 

Mais Soja – ARROZ: com orizicultor retraído, liquidez diminui e preço sobe

 

Mais Soja – Algodão tolerante à seca: genes podem levar ao seu desenvolvimento

 

______________________________________________________

O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.