PRODUTOR DE ARROZ BUSCA ALTERNATIVAS PARA SAIR DO VERMELHO

//PRODUTOR DE ARROZ BUSCA ALTERNATIVAS PARA SAIR DO VERMELHO
Os produtores de arroz do Rio Grande do Sul começam a colher um novo prejuízo na atual safra. Será um ano em que a coluna das despesas supera a das receitas. De acordo com o jornal Zero Hora, levantamento da Federação da Agricultura do Estado mostra que, nos últimos oito ciclos, em sete a cultura ficou no vermelho, resultado que tende agora a se repetir, com o preço da saca na casa dos R$ 35,44, valor 31% abaixo do mesmo período de 2017. Além da conta que não fecha, há o agravante do endividamento, potencializando o círculo vicioso que dilapida patrimônios e leva um número maior de arrozeiros a planejarem abandonar a atividade. A esperança de que a safra seguinte gere caixa para reduzir os débitos que ficaram para trás. Dentro e fora da porteira, os percalços enfrentados pelo setor são conjunturais e estruturais. O mais recente é a grande entrada de arroz do Paraguai, onde os custos são bem menores, assim como são também no Uruguai e na Argentina. “Enquanto o consumo interno segue estagnado, há dificuldade para exportar. O endividamento sufoca. Em regra, os agricultores são forçados a vender a maior parte da safra logo após a colheita, quando a pressão da oferta achata os preços. Quem acompanha a atividade também nota administração deficiente de custos e investimentos mal planejados”, diz a notícia.

Governo não garante orçamento para pagar taxa anual à OIC

O Brasil corre o risco de não fazer o pagamento da taxa anual devida à Organização Internacional do Café em decorrência da crise fiscal. O orçamento garantido até agora pelo governo para pagar a anuidade em 2018 de R$ 805,1 mil, ou 177,7 mil libras esterlinas, equivale a apenas 49% do valor total devido pelo país. É o que informa o Valor Econômico. O Conselho Nacional do Café, entidade que representa o setor cafeeiro, cobrou dos ministros Dyogo Oliveira (Planejamento) e Blairo Maggi (Agricultura) que o governo complemente o orçamento necessário para honrar o montante integral de 358,9 mil libras esterlinas exigido pela OIC (R$ 1,63 milhão). Segundo o CNC, o Brasil tem até o dia 30 de março para sanar a pendência, já que a próxima reunião anual ocorrerá entre 9 e 13 de abril na Cidade do México. O CNC reiterou que “o não pagamento da contribuição anual integral até 30 de março passará a imagem de um setor enfraquecido para os compradores de nossos produtos e também aos demais exportadores”. “Por outro lado, o Ministério da Agricultura garantiu que já está em contato com a Planejamento, responsável pelo pagamento das contribuições devidas pelo Brasil a todos os organismos internacionais de que faz parte, para que haja reposição orçamentária adequada para resolver a questão”, destaca o Valor.

Etanol de milho já reforça a oferta na entressafra

A oferta de etanol das usinas da região Centro-Sul está sendo reforçada pelas importações e pela produção de etanol a partir do milho. Desde 1º de janeiro até metade de fevereiro, a produção de etanol de milho somou 107,5 milhões de litros – equivalente a 60% da produção total do Centro-Sul, que foi de 179,7 milhões de litros, de acordo com dados da União das Indústria de Cana-de-Açúcar. O Valor Econômico destaca que boa parte dessa produção vem da usina da FS Bioenergia, que começou a operar em julho de 2017 em Lucas do Rio Verde (MT). A oferta de etanol de milho neste primeiro trimestre deve ficar entre 180 milhões de litros e 200 milhões de litros, de acordo com Martinho Ono, diretor da SCA Trading. O volume, segundo ele, está dentro do previsto pelo mercado e é “bem-vindo”. As importações de etanol também estão reforçando a oferta, embora estejam dentro do esperado pelo mercado. Em janeiro, foram importados cerca de 165 milhões de litros, e Ono estima que o volume de etanol adquirido do exterior de janeiro a março fique em torno de 600 milhões de litros. “Esse montante supera a cota isenta do imposto de importação de 20%. Contudo, mesmo com a tarifa, a importação tem sido vantajosa”, ressalta a reportagem.

Drawback isenção é ampliado para os setores de defensivos agrícolas, material de defesa e químicos

A partir da última sexta-feira (23), as empresas dos setores de defensivos agrícolas, material de defesa e químicos se beneficiarão do regime de drawback isenção. A portaria nº08/2018, da Secretaria de Comércio Exterior, do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, publicada no Diário Oficial da União, amplia o alcance do regime para setores que não estavam autorizados a aproveitar o instrumento na modalidade isenção. Levantamento realizado pela Secex aponta que a extensão do regime a novos setores permitirá a reposição de matérias-primas por empresas exportadoras, envolvendo isenção de tributos federais que devem totalizar pelo menos US$ 1,5 milhão por ano. Segundo o portal LegisWeb, a medida diminui os custos na fabricação dos produtos e, consequentemente, favorece as vendas externas nacionais. “O drawback é um regime aduaneiro especial. Na modalidade isenção, permite aos exportadores brasileiros repor, com isenção de tributos federais, o estoque de insumos equivalentes aos itens anteriormente importados ou comprados localmente com o pagamento dos tributos incidentes e utilizados na fabricação de produtos já exportados”, frisa a publicação.

NA IMPRENSA
Mapa – Mapa abre consulta pública para atualizar normas de importação de aves ornamentais

Mapa – Ministro Maggi lança Plano de Desenvolvimento da Fruticultura

MMA – Inventário chega a quase 80% do Cerrado

Embrapa – Modelos diferenciados com startups fortalecem processo de inovação tecnológica

Embrapa – Cultura do abacaxi é tema de três eventos no Espírito Santo

Embrapa – Embrapa formaliza acordo para aumentar variabilidade genética via edição de genomas

Embrapa – Embrapa apresenta tecnologias na Expodireto

Ibama – Petrobras assina Termo de Compromisso com o Ibama para adequar plataformas e deverá investir R$ 100 milhões em conservação ambiental

ALESP – Reunião sobre o Dia da Queima do Alho

ALESP – Opinião – Aeroporto Internacional: uma novela que precisa ter fim

Câmara dos Deputados – Comissão externa pode votar relatório sobre chacina no Pará

Câmara dos Deputados – Comissão externa quer ações para enfrentamento da crise do arroz

Senado Federal – Dê sua opinião: projeto desobriga indicação de transgênicos em baixo teor

Estadão – Tereos avalia aquisições, mas foco hoje é o acionista

Folha de S.Paulo – Marcelo Leite – Cofre das sementes comemora 10 anos e 1 milhão de amostras

G1 – Prejuízo com incêndio em loja agropecuária deve ser de R$ 15 milhões, diz empresário

G1 – Chuva traz prejuízo na colheita de soja em MT

G1 – Chuva traz otimismo para agricultores em Pernambuco

G1 – Boa safra da castanha no Acre

G1 – Produção de ovos cresce em Minas Gerais

G1 – Preço da maçã anima produtores gaúchos

G1 – Conheça as realidades dos produtores de tomate em MG

G1 – Gente feliz: divisão de lucros da safra 2017

G1 – Transposição do São Francisco muda vida no sertão da Paraíba

G1 – Motorista de caminhão de mudança tenta fugir ao ser flagrado com 600 kg de agrotóxicos

Valor Econômico – Para amenizar prejuízo, BRF fez carne de peru virar salsicha 

Valor Econômico – BRF pretende cortar R$ 300 milhões em custos por ano 

Valor Econômico – Preços de açúcar devem subir na próxima safra, diz diretor da Cosan 

Valor Econômico – Governo não garante orçamento para pagar taxa anual à OIC 

Valor Econômico – Açúcar deve pressionar resultado operacional da Raízen

Valor Econômico – Etanol de milho já reforça a oferta na entressafra 

Valor Econômico – Embarque de suco cresce 20% na safra 

Zero Hora – Produtor de arroz busca alternativas para sair do vermelho

A Gazeta News – Pulverização aérea: mais eficiência e segurança

Cenário MT – Cai em 6,4% o volume de entrega de adubo no Brasil

Legis Web – Drawback isenção é ampliado para os setores de defensivos agrícolas, material de defesa e químicos

Blog Lages do Cabugi – Trabalho em assentamento mostra o sucesso do trabalho com a agroecologia

Brasil Fest Chicago – Produtor do Noroeste do RS investe em sistema usado na Serra e vê qualidade das uvas aumentar

DM – A dívida que pesa nas costas do agricultor

____________________________________________________________________________

O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.