NA CIÊNCIA, RESULTADOS POSITIVOS SÃO ‘TENTAÇÃO’ E REPRODUTIBILIDADE É DESAFIO

//NA CIÊNCIA, RESULTADOS POSITIVOS SÃO ‘TENTAÇÃO’ E REPRODUTIBILIDADE É DESAFIO
Alguns anos atrás, cientistas da empresa de biotecnologia Amgen tentaram reproduzir 53 estudos sobre novas abordagens ao tratamento de cânceres. De acordo com a Folha de S.Paulo, eles conseguiram replicar apenas 11% dos resultados das pesquisas originais. A ciência tem um problema de reprodutibilidade – e as consequências disso são amplas. Esses 53 estudos saíram em revistas científicas destacadas, e os 21 que foram publicados nas revistas de impacto mais alto foram citados em média 231 vezes cada em trabalhos subsequentes. Muitas empresas farmacêuticas realizam esse tipo de confirmação regularmente. Levando em conta que seu investimento de bilhões de dólares em pesquisas depende diretamente do sucesso dos projetos, a preocupação parece justificada. O ambiente da pesquisa e seus incentivos agravam o problema. “Acadêmicos são recompensados profissionalmente quando publicam em periódicos importantes, os quais têm probabilidade maior de aceitar trabalhos novos e instigantes. Ou seja, existe um incentivo, que mal chega a ser escondido, para se alcançar resultados novos e instigantes em experimentos. Cientistas são motivados a conduzir os experimentos de modo a aumentar as chances de obter resultados positivos”, diz trecho da reportagem.

Estudos não têm resultados esperados

Folha de S.Paulo enfatiza que o modo como pesquisas são apresentadas na imprensa também pode ser um problema. Neste ano, um estudo analisou como jornais divulgaram pesquisas que associaram um fator de risco a uma doença. No caso dos estudos iniciais, os jornais não publicaram nenhum resultado nulo, ou seja, estudos que não tiveram os resultados esperados. A organização Center for Open Science, incentiva a abertura, integridade e reprodutibilidade das pesquisas. Ela defende o registro prévio de estudos, para que os métodos de pesquisa sejam mais transparentes e as análises livres de viés ou modificações. “Enquanto o ambiente acadêmico incentivar cientistas a trabalhar isolados e manter seus dados ocultos, a transparência será impossível. Conflitos de interesses financeiros são identificados, há anos, como um dos fatores que enviesam pesquisas de forma inapropriada. Mas existem outros tipos de conflitos de interesses, com poder igual ou até maior de influenciar o trabalho de cientistas. Há um incentivo indireto para os pesquisadores forcem “seus dados a atingirem resultados novos e instigantes”, mesmo que eles não sejam”, diz o texto da Folha.

CAS discute regulamentação da profissão de cuidador

Proposta que regulamenta a profissão de cuidador foi discutida na Comissão de Assuntos Sociais (CAS), na reunião de quarta-feira (6). De acordo com o Projeto de Lei da Câmara (PLC) 11/2016, o cuidador profissional é o que acompanha e dá assistência a idosos, crianças, pessoa com deficiência ou doença rara, em residências, comunidades ou instituições. O portal do Senado Federal destaca que o texto define proibições aos cuidadores, como a administração de medicação que não seja por via oral nem orientada por prescrição do profissional de saúde, assim como procedimentos de complexidade técnica. Os trabalhadores também poderão ser demitidos por justa causa se ferirem direitos do Estatuto da Criança e do Adolescente, ou do Estatuto do Idoso. A proposta estabelece que a atividade de cuidador pode ser temporária ou permanente, individual ou coletiva, visando a autonomia e independência, zelando pelo bem-estar, saúde, alimentação, higiene pessoal, educação, cultura, recreação e lazer da pessoa assistida. “O relator da proposta, senador Elmano Férrer (PMDB-PI), considera que o projeto preenche uma lacuna na legislação trabalhista e ajuda no enfrentamento de um problema social, já que o número de idosos só vem aumentando no país. Mas o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) pediu o adiamento da análise. Ele levantou dúvidas sobre a formação exigida para o profissional, que se não tiver dois anos de experiência, precisará fazer curso de qualificação. O parlamentar teme que o custo dessa exigência recaia sobre as prefeituras, sobrecarregando-as”, ressalta a publicação.

Farmacêutica Sanofi desiste de desenvolver vacina contra a zika

A empresa farmacêutica francesa Sanofi abandonou seu programa para desenvolver uma vacina contra o vírus da zika depois que uma agência dos EUA decidiu reduzir seu financiamento devido à redução da epidemia, informou a empresa na quinta-feira (07). É o que informa a Folha de S.Paulo. A US Biomedical Research and Development Authority (BARDA) comprometeu-se em 2016 a fornecer US$ 43,2 milhões para financiar o desenvolvimento de uma vacina contra a doença. Em agosto, porém, a instituição decidiu reduzir drasticamente seu acordo com a Sanofi Pasteur, a divisão de vacinas do grupo, de acordo com uma declaração da Sanofi discretamente publicada em seu site no início deste mês. “Portanto, a Sanofi não pretende continuar” desenvolvendo uma vacina contra a zika no momento, informou a empresa francesa. A Sanofi “respeita a decisão da BARDA de reajustar o foco de seus limitados recursos às suas prioridades”, em um contexto de “uma redução acentuada no número de novos casos de zika nos Estados Unidos e no mundo até 2017”, afirmou o grupo. “Em novembro, a Organização Mundial da Saúde (OMS) retirou seu status de “emergência global da saúde pública” ao vírus da zika, que pode provocar anomalias cerebrais graves em recém-nascidos e que tem afetado principalmente países da América Latina. Foram estudadas dezenas de vacinas contra a zika, mas nenhuma estará disponível para mulheres em idade fértil antes de 2020, disse a OMS”, afirma parte da reportagem.

SAÚDE NA IMPRENSA
Ministério da Saúde – Ministério da Saúde declara fim do surto de febre amarela

Ministério da Saúde – Prorrogadas inscrições para prêmio de inovação para o SUS

Anvisa – Confira cronograma de reuniões sobre produtos importados

Senado Federal – Regulamentação do trabalho de agentes comunitários de saúde é aprovada na CAS

Senado Federal – CAS discute regulamentação da profissão de cuidador

G1 – Microplásticos contaminam água da torneira mundo afora

Folha de S.Paulo – Na ciência, resultados positivos são ‘tentação’ e reprodutibilidade é desafio

Folha de S.Paulo – Voluntário lucra R$ 26 milhões por serviço ‘gratuito’ à Santa Casa de SP

Folha de S.Paulo – Farmacêutica Sanofi desiste de desenvolver vacina contra a zika

Folha de S.Paulo – Falar em cura para Aids é criar uma cortina de fumaça, diz antropólogo

O Estado de S.Paulo – Butantan produzirá soro com 1,5 mil escorpiões coletados no interior de SP

O Estado de S.Paulo – Mortes de macacos por febre amarela são registradas em SP e Estado estende vacinação

O Globo – Estudo identifica seis genes ligados a partos prematuros

O Globo – Cientistas desenvolvem caneta que detecta câncer em dez segundos

O Globo – Crianças que superam câncer têm doenças crônicas na vida adulta, diz estudo

O Globo – Órgãos de menina de 13 anos salvam a vida de oito pessoas

Valor Econômico – Contribuinte vence no Carf disputa sobre plano de saúde

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.