MINISTRO AFIRMA QUE MEDICAMENTO IMPORTADO PARA LEUCEMIA É EFICAZ

//MINISTRO AFIRMA QUE MEDICAMENTO IMPORTADO PARA LEUCEMIA É EFICAZ
O ministro da saúde, Ricardo Barros, disse, na Câmara dos Deputados, que é eficiente o medicamento chinês asparaginase, importado pelo governo brasileiro para tratamento de leucemia. O ministro participou, na quarta-feira (10), de audiência pública conjunta das comissões de Defesa do Consumidor e de Seguridade Social e Família. Publicação da página da Câmara dos Deputados ressalta que a asparaginase é utilizada para o tratamento de leucemia linfoide aguda, que atinge principalmente crianças. No Brasil, 4 mil pacientes do SUS recebem o medicamento. Porém, desde 2010 o Ministério da Saúde vem enfrentando problemas na importação do produto. Neste ano, o ministério comprou o remédio da China, o que foi alvo de críticas veiculadas por meios de comunicação. Ricardo Barros rebateu as críticas de que o medicamento não teria garantia, afirmando que a Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz), por meio do Instituto Nacional de Qualidade em Saúde, já realizou testes que comprovam a eficácia do medicamento chinês. Ricardo Barros disse que a importação vinha sendo feita de outros laboratórios por um preço maior e sem respaldo jurídico. Segundo ele, foi feita cotação de preços, ganhando a empresa que ofereceu o menor preço. “Não há nada de excepcional nesse processo, a não ser o fato de que o ministério estava comprando, com dispensa de licitação, de um laboratório que não tinha registro da Anvisa”, ressalta o ministro à publicação.

Indústria farmacêutica vende saúde em caixinhas, diz presidente do Sindusfarma

Em artigo publicado em jornal Zero Hora, o presidente do Sindusfarma, Nelson Mussolini, defende as ações da indústria farmacêutica. “Segundo ele, as questões que envolvem a saúde e são sempre delicadas. Afinal, dizem respeito à vida de cada um de nós. É natural, portanto, que procedimentos terapêuticos despertem curiosidade. E, dentre eles, o processo de escolha dos medicamentos mais indicados para os tratamentos. Isso coloca em evidência o relacionamento entre médicos, pacientes e a indústria farmacêutica”, afirma ele em trecho do texto. “Os laboratórios farmacêuticos estão empenhados em descobrir e produzir medicamentos seguros e de qualidade e garantir que o seu consumo esteja baseado na divulgação de informações fidedignas e na avaliação isenta dos profissionais habilitados a prescrevê-los. Pois o negócio da indústria farmacêutica é vender saúde e qualidade de vida para a população brasileira”, conclui o artigo.

Anvisa firma acordo com Instituto de Ética e Saúde

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) firmou, na quarta-feira (10), um acordo de cooperação técnica com o Instituto de Ética e Saúde (IES). O objetivo é desenvolver trabalhos e ações – nos âmbitos científico, normativo e técnico – de interesse comum a ambas as instituições no que diz respeito a aprimorar processos e práticas na área de vigilância sanitária. De acordo com a divulgação em seu site, a Anvisa e o IES trabalharão conjuntamente nas seguintes atividades: Disponibilizar seus corpos técnico-profissional, de acordo com as necessidades das atividades que vierem a ser desenvolvidas; Compartilhar informações técnicas, naquilo que for pertinente e conveniente para concretizar a parceria, com ressalva, naturalmente, para dados confidenciais; Promover apoio operacional e técnico à realização de foros de discussões, como comitês, câmaras, comissões ou grupos de trabalho formalmente instituídos; Organizar conferências, palestras, seminários e convenções sobre ética e conformidade legal e regulatória; e Apoiar, promover e divulgar estudos, pesquisas, informações e conhecimentos técnicos e científicos.

Fim da emergência nacional para zika

O jornal O Estado de S.Paulo destaca que o Ministério da Saúde confirma, nesta quinta-feira (11), o fim da emergência nacional para zika. A decisão é tomada diante da redução do número de casos da doença e seis meses depois de a Organização Mundial da Saúde (OMS) suspender o estado de emergência internacional pelo vírus. “O estado de emergência teve início em novembro de 2015. À época, no entanto, a emergência era específica para microcefalia, uma má formação até então considerada rara e que teve um aumento inexplicado no período, sobretudo nos Estados de Pernambuco e Paraíba. Na ocasião, já havia a suspeita de que a explosão de nascimentos de bebês com o problema era provocada pela infecção do vírus zika. A hipótese foi confirmada meses depois. Reportagem do jornal O Estado de S.Paulo destaca que desde então, o Brasil registrou 13.490 casos suspeitos de microcefalia, dos quais 2.653 foram confirmados. Há, no entanto, quase 2.900 casos ainda em investigação. Justamente por isso, o anúncio do fim da emergência nacional dividiu integrantes do Ministério da Saúde”, de acordo com informações obtidas pelo Estado.

SAÚDE NA IMPRENSA
Fiocruz – Fiocruz promove workshop sobre os desafios das doenças raras

Anvisa – Farinha sem ferro para pessoas com restrição alimentar

Anvisa – Anvisa firma acordo com Instituto de Ética e Saúde

Senado Federal – Lídice da Mata lembra a passagem do Dia Mundial da Luta Contra o Lúpus

Câmara dos Deputados – Ministro afirma que medicamento importado para leucemia é eficaz

Câmara dos Deputados – Comissão obriga SUS a oferecer tratamento para câncer de mama metastático

Folha de S.Paulo – Médicos que fizeram BO contra posto de saúde na zona leste são demitidos

O Estado de S.Paulo – Ministro da Saúde diz que envio de cubanos ao Brasil será retomado

O Estado de S.Paulo – Pós-Corujão, pedido de exame cresce 83%

O Estado de S.Paulo – Hospital São Paulo perde verba federal e será filantrópico

O Estado de S.Paulo – Ministério da Saúde anuncia fim da emergência nacional para zika

Correio Braziliense – Dieta rica em vitamina D e cálcio pode evitar menopausa precoce

O Globo – Resfriar corpo após parada cardíaca pode reduzir risco de lesão cerebral

O Globo – Especialistas pedem reformulação de produtos ‘sem glúten’ 

G1 – Estudo encontra problemas de segurança em um de cada três remédios nos EUA

G1 – Cientistas desaconselham dieta sem glúten a pessoas não celíacas

G1 – Com tratamento, expectativa de vida de infectados com HIV já está ‘perto do normal’, diz estudo

Zero Hora – Nelson Mussolini – Indústria farmacêutica vende saúde em caixinhas

Região Noroeste – Secretaria de Saúde entrega aparelhos para portadores de diabetes

Jornal do Noroeste – Radioterapia recebe equipamento e inicia atendimentos

Diário do Nordeste – Combate à chikungunya terá verba de R$ 500 mil

Segs – Lideranças do ecossistema reúnem-se para discutir os rumos da saúde pública e privada

Gazeta Norte Mineira – Norte de Minas discute impacto da judicialização da saúde

Folha de Dourados – Suporte da família reforça tratamento de pacientes com doenças de diagnóstico difícil

Jornal Entrevista – Lúpus: mulheres são até nove vezes mais atingidas pela doença do que homens

Aratu Online – Pais lançam campanha para custear tratamento de R$ 6 milhões para filhos com doença rara

Blog Marcio Antoniassi – Anvisa estuda liberação de remédio para tratar Atrofia Muscular Espinhal

Mossoró Hoje – Governador solicita em Brasília aumento de repasses e apoio para realização de mutirão de cirurgias

Blog Paulo Afonso – Esclerose múltipla pode ganhar reforço no arsenal terapêutico do Sistema Único de Saúde (SUS)

Jornal Integração – Câncer registra 12,7 milhões de novos casos por ano

São Carlos em Rede – Novo medicamento reduz em 67% avanço de câncer no sangue e risco de morte

Diário do Litoral – Número de adolescentes grávidas no Brasil cai 17% entre 2004 e 2015

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.