MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO ENTRA COM REPRESENTAÇÃO PARA MANTER CONTRATO MILIONÁRIO DE HEMODERIVADOS

//MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO ENTRA COM REPRESENTAÇÃO PARA MANTER CONTRATO MILIONÁRIO DE HEMODERIVADOS
O Ministério Público (MP) junto ao Tribunal de Contas da União ingressou, na segunda-feira (17), com uma representação, com pedido de liminar, para garantir a continuidade da Parceria de Desenvolvimento Produtivo (PDP) do Fator VIII recombinante, hemoderivado essencial para pacientes com hemofilia. Na última semana, o Ministério da Saúde suspendeu o acordo, que havia sido feito com a farmacêutica Shire e a estatal do sangue Hemobrás, sob a justificativa de desrespeito às regras do contrato. O procurador Marinus Marsico, autor da representação, argumenta que a suspensão coloca em risco o abastecimento de hemoderivados no País, desrespeita a lei e traz prejuízos aos cofres públicos. Em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, reagiu atacando todo o MP: “Para variar, o Ministério Público quer entender daquilo que não entende. Fica comprando versão de terceiros e sai atirando sem perguntar. Como vamos falar no processo, tudo ficar esclarecido e vai ficar sendo como dantes.” “A eventual rescisão contratual resultaria numa perda dos valores já investidos na construção da fábrica da Hemobrás, além da cobrança imediata de uma dívida de mais de US$ 174 milhões que a estatal contraiu com a empresa Shire”, argumenta o procurador ao Estadão.

Proposta de negociação milionária continua em conflito

Conforme destaca a reportarem publicada pelo do Estadão nesta quarta-feira (19), a suspensão da PDP ocorre um mês depois de o ministro da Saúde dar pessoalmente início a uma negociação para a construção de uma fábrica de hemoderivados em Maringá (PR), seu reduto eleitoral. Pela proposta inicial, um consórcio seria formado entre os laboratórios públicos estaduais Butantã (SP), Tecpar (PR), Hemobrás e a empresa suíça Octapharma. Os três laboratórios ficariam encarregados da produção de hemoderivados para o País. O Butantã não aceitou a proposta, disse o ministro. Para o plano do consórcio ser mantido, o primeiro passo seria terminar a PDP da Hemobrás com a empresa Shire. “A representação do MP segue agora para avaliação de uma equipe técnica do TCU. Decorridos três dias, ela é encaminhada para o presidente do TCU. Não há prazo para que ele tome a decisão. Em nota, o vice-presidente da Octapharma no Brasil, Samuel Maurício, afirmou que a empresa segue normas éticas e que a proposta apresentada ao governo é legítima, de acordo com o marco regulatório em vigor”, ressalta parte da reportagem.

Terapias genéticas trazem esperança para cânceres sem tratamento

O jornal O Globo, nesta quarta-feira (19), conta o caso da menina americana Emily Whitehead, que aos 6 anos, estava à beira da morte. Sofrendo com um tipo de leucemia particularmente agressivo, recorrente e refratário aos tratamentos convencionais, sua última esperança era uma terapia genética experimental em desenvolvimento por pesquisadores da Universidade da Pensilvânia, nos EUA. Nela, os cientistas usam uma técnica chamada CAR-T (sigla em inglês para “receptor de antígeno quimérico de células T”) para introduzir um anticorpo em células de defesa do organismo do próprio paciente, as mencionadas células T de seu nome, para que reconheçam, e ataquem, as células cancerosas. Tratada com as células modificadas, Emily, hoje com 12 anos, está livre da doença. O sucesso do caso de Emily e de 52 pacientes levou um painel de dez especialistas a recomendar por unanimidade à Administração de Alimentos e Drogas dos EUA (FDA) a aprovação do tratamento na última semana, o que faria dessa a primeira terapia genética a ter o aval do órgão regulador americano. “No total, 63 jovens pacientes vítimas de leucemia linfoblástica aguda recorrente/refratária das células B (outro tipo de célula do sistema imunológico que tem em sua superfície uma proteína chamada CD19, alvo da alteração com a técnica CAR-T) foram inscritos no teste clínico no qual receberam o tratamento dado a Emily — agora nas mãos da gigante farmacêutica Novartis e rebatizado tisagenlecleucel (CTL019). Diversos grupos de cientistas, na própria Novartis e em outras instituições, inclusive no Brasil, estão desenvolvendo alternativas de tratamentos usando o método tanto para outras leucemias quanto para os chamados “tumores sólidos”, como nos cânceres de mama, próstata, pulmão e cérebro, entre outros”, afirma trecho da reportagem.

Pesquisa aponta que 70% dos pacientes de chikungunya só buscam atendimento na fase crônica

Uma pesquisa aponta que 70% dos pacientes de chikungunya só procuram o serviço de saúde quando a doença já está em fase crônica. É o que informa o site do G1. Ou seja, a busca por tratamento especializado ocorre, pelo menos, três meses após apresentarem os primeiros sintomas. O problema da automedicação está entre os motivos para a demora em recorrerem ao atendimento médico. O estudo inclui pacientes do Hospital das Clínicas (HC) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), um dos seis hospitais universitários, localizados em quatro estados do Nordeste, que os pesquisadores coletaram dados. A pesquisa foi feita de abril a dezembro de 2016. A quantidade de casos notificados de chikungunya diminuiu de 2016 para 2017. Mesmo assim, Pernambuco já contabiliza 2.800 neste ano. A doença costuma alterar a rotina do paciente por conta das dores nas articulações. Ao fim do estudo, médicos de vários estados se reuniram para elaborar uma recomendação para ajudar os especialistas a partir de tudo que se sabe até o momento sobre a doença. “É uma forma de auxiliar os médicos, lá a gente tem como dar o diagnóstico na fase aguda, na fase crônica e como tratar. Então, que medicamentos eu devo usar para qual tipo de paciente eu devo usar o medicamento, por quanto tempo”, concluiu ao G1 Cláudia Marques.

SAÚDE NA IMPRENSA
ANS – Sala de Situação: dados de junho estão disponíveis

Anvisa – Produto Saúde Total tem propaganda proibida

Anvisa – Brasília sediou o 8º Encontro Internacional das Farmacopeias

Anvisa – ICCR: autoridades discutem regulamentação de cosméticos

Conitec – Mudanças no Canal de Comunicação com o Judiciário

Tecpar – Parque tecnológico virtual do Paraná reúne mais de cinco mil iniciativas

Câmara dos Deputados – Declaração de nascimento poderá identificar tipo de deficiência de recém-nascido

Câmara dos Deputados – Teste toxicológico em motorista poderá depender de programa criado por empregador

Câmara dos Deputados – Comissão externa visita Hospital Federal dos Servidores do Rio de Janeiro

Folha de S.Paulo – ‘Achavam que ele não passaria de 6 semanas’: o mal raro que ameaça vida de jovem durante o sono

Correio Braziliense – OMS diagnostica 20 mil casos suspeitos de cólera no Iêmen em três dias

Correio Braziliense – Alguns quilos a mais na fase adulta aumentam risco de doenças

Correio Braziliense – Uma em cada 10 crianças não foi vacinada no último ano segundo a OMS

Correio Braziliense – Altas doses de vitamina D são ineficazes contra infecções respiratórias

O Estado de S.Paulo – MPTCU entra com representação para manter contrato milionário de hemoderivados

O Estado de S.Paulo – Médicos anunciam sucesso de primeiro transplante de mãos em uma criança

O Globo – Terapias genéticas trazem esperança para cânceres sem tratamento

G1 – Pesquisa aponta que 70% dos pacientes de chikungunya só buscam atendimento na fase crônica

G1 – Unicamp analisa corredores amadores e alerta para consumo ineficaz de suplementos

G1 – Pesquisa da USP estimula o cérebro com choques elétricos para tratar obesidade

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.