ESTUDO MENSURA CUSTOS DO DESPERDÍCIO DE GRÃOS NO PAÍS

//ESTUDO MENSURA CUSTOS DO DESPERDÍCIO DE GRÃOS NO PAÍS
A combinação de rodovias em má conservação, transporte inadequado e necessidade de armazenamento faz o país perder milhões de toneladas de soja e milho colhidas em cada safra, ou alguns bilhões de reais. É o que reforça estudo recém-concluído pelo engenheiro agrônomo Thiago Guilherme Péra, coordenador do Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (EsalqLog). É o que informa o Valor Econômico. Em 2015, aponta o trabalho, as perdas alcançaram 2,4 milhões de toneladas, ou 1,3% das produções de ambos os grãos naquele ano, e equivaleram a pouco mais de R$ 2 bilhões. Os prejuízos foram calculados com base no “custo de oportunidade” – vendas não realizadas (94,3% do valor total) – e em gastos logísticos desnecessários. “O estudo indica que o uso de armazéns fora das fazendas é o maior causador de perdas físicas. A logística ligada à armazenagem foi responsável, em 2015, por 67,2% do total das perdas físicas com soja e milho. Naquele ano, o desperdício foi de 660,9 mil toneladas de milho (0,8% da colheita) e 423,3 mil toneladas de soja (0,43% do total)”, afirma parte do estudo.

Carregamento de diferentes modais geram perdas mais elevadas

O Valor Econômico destaca também que na sequência estão transporte rodoviário (13,3% das perdas), por meio do qual é carregada a maior parte da safra de grãos, terminal portuário (9%), transporte multimodal ferroviário (8,8%) e transporte multimodal hidroviário (1,7%). Outra conclusão importante apontada pelo trabalho de Thiago Guilherme Péra, que contraria a crença dominante no setor, é que a utilização de diferentes modais [rumo a um destino específico] causa mais perdas que o uso exclusivo de caminhão. “Quando se retira a soja do caminhão para o terminal ferroviário há uma perda, que se soma às perdas observadas no transbordo da mesma soja do terminal para o vagão e depois do vagão para o porto e por fim para o navio. Quer dizer, quanto mais se muda o grão de lugar, mas se desperdiça” – o pesquisador ressalta que o estudo abrange apenas perdas físicas e não leva em conta que os custos para transportar grãos por vários modais costumam ser mais vantajosos que apenas pelo sistema rodoviário. “Nas contas de Péra, a ampliação da capacidade de armazenamento de grãos dentro das fazendas poderia reduzir as perdas em até 21,7%. Já a melhora das condições das vias de transporte principal seria capaz de diminuir o prejuízo em 7%, enquanto estradas vicinais (que conectam as fazendas com os armazéns externos) asfaltadas reduziriam as perdas em 16%”, ressalta o Valor.

Exportações de carne de frango e suína crescem em agosto

As exportações brasileiras de carne de frango (in natura e processados) somaram 416,8 mil toneladas em agosto, volume 14,6% superior ao do mesmo mês de 2016, informou a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), que compilou dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex). De acordo com o Valor Econômico, este volume gerou um saldo de vendas de US$ 690,6 milhões, 13,1% mais que em agosto de 2016. No acumulado do ano, porém, as vendas ainda apresentam retração na comparação com o mesmo período de 2016, com 2,92 milhões de toneladas, queda de 2,3%. Mas financeiramente, o crescimento foi de 6,3% no período, com um total de US$ 4,887 bilhões. “O mês de agosto marca a superação de um cenário difícil vivido no segundo trimestre. Esperamos números positivos nos próximos meses, recuperando as perdas e alcançando saldo final superior ao registrado em 2016”, diz Francisco Turra, presidente-executivo da ABPA em nota. “No que diz respeito a carne suína, a associação informa que foram vendidas 58,9 mil toneladas de carne in natura em agosto, volume 2,4% superior ao registrado em agosto de 2016. Em receita, o resultado foi melhor, 12,7% de crescimento, com US$ 143 milhões em neste ano. No ano, a receita de exportações com carne suína chegou a US$ 1,006 bilhão, ante US$ 812 milhões obtidas entre janeiro e agosto de 2016. Mas, em volume, houve retração de 2,3%, com 401,3 mil toneladas em 2017”, destaca parte da nota.

Mapa avalia situação sanitária do Amapá para reconhecimento de área livre de aftosa com vacinação

Técnicos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) estão percorrendo municípios do Amapá, nesta semana, para verificar os avanços e ajustes necessários à declaração do estado como área livre de febre aftosa com vacinação. O portal do Mapa informa que nesta terça-feira (5), às 16h, será realizada audiência com o governador do estado, Waldez Góes, para discutir as ações necessárias. Entre as medidas que deverão ser tomadas pelo estado conforme demanda da Diagro estão a contratação imediata de quatro veterinários, para os municípios de Laranjal do Jari, Cotias do Araguari e Porto Grande e, oito auxiliares (técnicos agropecuários). Também deverão ser adquiridas 14 caminhonetes e um quadriciclo para atuar nas áreas de várzeas. “O reconhecimento nacional do estado como livre de aftosa com vacinação está em análise no Mapa. Depois de atendidas as exigências para o bom funcionamento do serviço veterinário local, deverá ser assinada Instrução Normativa, com o novo status sanitário do Amapá. Posteriormente o pedido de reconhecimento de área livre de aftosa com vacinação será encaminhado à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). Atualmente o estado tem status sanitário de risco médio. O rebanho do estado soma aproximadamente 325 mil cabeças, sendo a maioria (83%) formada por búfalos”, diz o texto.

NA IMPRENSA

Mapa – Norma que alterou controle sobre sementes e mudas ajuda a fomentar a atividade

Mapa – Mapa avalia situação sanitária do Amapá para reconhecimento de área livre de aftosa com vacinação

Mapa – Para Maggi, Brics precisa fortalecer mais o comércio agropecuário

Mapa – Índia abre mercado para maçã fresca do Brasil

MMA – Brasil fortalece ações de proteção do oceano

Embrapa – Novas forrageiras da Embrapa são opções para a pecuária brasileira

Embrapa – Ferramenta para cálculo de custos da pecuária de corte é atualizada

Embrapa – Representantes dos seis biomas brasileiros estarão juntos na Feira Agroecológica e da Sociobiodiversidade

SAC – Edital de chamamento dá início às novas concessões aeroportuárias

Câmara dos Deputados – Subcomissão sobre desenvolvimento sustentável será instalada nesta tarde

Folha de S.Paulo – Vaivém das Commodities – Área de milho diminui, mas estoque é elevado

Valor Econômico – MPT e PF resgatam 10 vítimas de trabalho escravo no sul da Bahia

Valor Econômico – Exportações de carne de frango esuína crescem em agosto

Valor Econômico – Produção de café da Colômbia cresceu 9% em agosto

Valor Econômico – Oscilações no mercado de açúcar vão continuar com atuação dos fundos

Valor Econômico – Gestor francês de fundos faz aporte em empresa brasileira de palmito

Valor Econômico – Estudo mensura custos do desperdício de grãos no país

Valor Econômico – China dá esperança a frigoríficos

Valor Econômico – Commodities Agrícolas

Notícias Agrícolas – Bolívia aguarda safra de cana-de-açúcar com rendimento de 40t/ha

Notícias Agrícolas – Aparecimento de ferrugem coloca trigo em alerta na Argentina

Portal do Agronegócio – Londres: preços do açúcar têm alta no início da semana

Poconé Online – Carne natural é alternativa suculenta ao consumo industrial

Bonito Informa – Sem aumento salarial, fiscais da Iagro ameaçam paralisar atividades

Poa 24horas – Expointer movimenta R$ 2 bilhões em nove dias de feira

Canal Online – Oferta agrícola da UE terá etanol e carne

Tribuna do Norte – Secretaria faz alerta sobre agrotóxicos

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.