É PRECISO DISCUTIR QUANTO CUSTA PROLONGAR A SOBREVIDA, DIZ PAULO HOFF

//É PRECISO DISCUTIR QUANTO CUSTA PROLONGAR A SOBREVIDA, DIZ PAULO HOFF
Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, o oncologista Paulo Hoff, diretor-geral do Instituto de Câncer do Estado de São Paulo Octavio Frias de Oliveira (Icesp) e do Centro de Oncologia do Hospital Sírio-Libanês, conta que os novos medicamentos imunoterápicos, que revolucionaram o tratamento do câncer nos últimos anos, são um fator importante na derrocada final da doença, mas não a solução. Hoff afirma que nem todos os tipos de tumores respondem ao tratamento, que estimula a resposta imune contra as células do câncer. O custo da medicação, entre R$ 30 mil e R$ 50 mil, é outro entrave importante. “É preciso discutir como oferecer esses medicamentos aos pacientes do SUS. Uma vida não tem preço, mas tem um custo. Não cabe ao médico individualmente tomar a decisão de quanto vale a pena pagar para que o indivíduo viva ‘x’ meses a mais, mas cabe à sociedade”, declarou ele à Folha.

A judicialização e as dificuldades imunoterápicas

Ainda em entrevista à Folha, Paulo Hoff explica que a judicialização dificulta o planejamento porque há mais de uma via de acesso e, conforme ressaltou ele, a decisão é tomada por alguém que tem pouco conhecimento médico. “Há situações em que a judicialização é válida, porque sem ela o sujeito ficaria desassistido, mas às vezes cria-se uma obrigatoriedade de o governo pagar por algo que não faz sentido. Existe um esforço de criar câmaras técnicas que ajudem os juízes na decisão. É o exemplo da fosfoetanolamina. Os juízes começaram a dar liminares forçando governos a ceder a substância como se ela fosse a salvação. O primeiro estudo mostra que ela não é a panaceia que se imaginava. E o medicamento está sendo distribuído como se fosse curar todo mundo que encosta nele. A distribuição farta pelo Judiciário não seguiu nenhuma lógica científica”, afirmou Hoff em trecho da entrevista.

Pesquisadora brasileira é uma das 100 pessoas mais influentes do mundo, segundo revista ‘Time’

A pesquisadora Celina Turchi, líder de pesquisas que comprovaram a relação entre o vírus zika e a microcefalia, foi escolhida como uma das 100 pessoas mais influentes do mundo pela revista americana “Time”. Conforme publicação do jornal O Globo, a seleção foi divulgada na quinta-feira (20) pela Revista Time, e traz personalidades como o presidente americano, Donald Trump, e o Papa Francisco. Além de Celina, o outro brasileiro que aparece na lista é Neymar. Infectologista da Fundação Oswaldo Cruz, em Pernambuco, Celina já havia sido incluída entre os dez cientistas mais influentes do mundo, em 2016, pela revista científica “Nature”. No perfil da pesquisadora, escrito por Tom Frieden, ex-diretor do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC), a Time destaca que Celina é “um modelo do tipo de liderança global necessária para proteger a saúde humana”.

Controle de doenças crônicas pode evitar 1 em cada 3 casos de demência

Reportagem do jornal Correio Braziliense destaca que um terço dos casos de demência diagnosticados no Brasil poderia ser evitado com o controle de doenças crônicas como hipertensão e obesidade. É o que indica um estudo realizado por pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, depois da análise de 1.092 cérebros de pacientes com mais de 50 anos mortos na capital. Primeiramente, os especialistas verificaram com familiares quantos dos pacientes tinham sintomas e diagnóstico de demência, chegando a 480. Ao analisar o tecido cerebral dessas pessoas, os pesquisadores descobriram que em 50% dos casos a doença era causada pelo mal de Alzheimer, mas que em outros 35% a demência era do tipo vascular, ou seja, associada a episódios de derrames geralmente causados por doenças evitáveis, como a hipertensão. O que chamou a atenção dos pesquisadores foi que a proporção de demência do tipo vascular é maior no Brasil do que em outros países, destaca a reportagem do Correio Braziliense.

SAÚDE NA IMPRENSA
Senado Federal – Ministro da Saúde vai explicar cortes no Programa Farmácia Popular

Câmara dos Deputados – Atribuições dos agentes comunitários de saúde serão debatidas no Pará

Câmara dos Deputados – Comissão debate elaboração de plano decenal de saúde

Folha de S.Paulo – Gustavo Rosa Gameiro – Médicos deveriam viajar mais de avião

Folha de S.Paulo – Anvisa quer advertência direta em cigarro, como ‘Você brocha’

Folha de S.Paulo – Projeto do Google acompanhará 10.000 pessoas para predizer doenças

Folha de S.Paulo – Marca-passo pode reduzir depressão, aponta estudo brasileiro

Folha de S.Paulo – É preciso discutir quanto custa prolongar a sobrevida, diz Paulo Hoff

Folha de S.Paulo – Cresce busca por terapia alternativa no SUS, mas oferta ainda é pequena

Folha de S.Paulo – Uma hora de corrida pode aumentar avida em sete horas, diz estudo

O Globo – Pesquisadora brasileira é uma das 100 pessoas mais influentes do mundo, segundo revista ‘Time’

O Globo – Anvisa vai consultar público se farmácias devem vender vacinas

O Globo – Programa Mais Médicos abre mais de 2 mil vagas para brasileiros

O Globo – Cientistas avaliam benefícios do uso de drogas psicoativas por pessoas saudáveis

O Globo – Médicos defendem que vontade deve prevalecer sobre a enfermidade

O Globo – Especialistas debatem a importância dos cuidados paliativos

Correio Braziliense – OMS: 325 milhões de pessoas têm hepatite e poucas sabem

Correio Braziliense – Controle de doenças crônicas pode evitar 1 em cada 3 casos de demência

Correio Braziliense – Experimento mostra como remédio para pressão alta trata câncer de pele

O Estado de S.Paulo – ‘Eu vou dividir os poderes na Santa Casa’, diz candidato único a provedor da instituição

O Estado de S.Paulo – Controle de doenças crônicas pode evitar 1 em cada 3 casos de demência

G1 – Rã indiana expele muco que pode combater vírus da gripe, segundo estudo

G1 – Os brasileiros ‘desenganados por médicos’ e que vivem e trabalham com doenças raras

Jornal de Brasília – Professor da UFF testa vacinas contra infecção hospitalar causada por bactérias

Jornal Dia-a-Dia – Farmacêutica Libbs investirá R$100 milhões em centro de pesquisa

Terra – Antidepressivo pode interromper doenças neurodegenerativas, dizem cientistas

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.