COMISSÃO DO SENADO DEBATERÁ DIFICULDADES DE TRATAMENTO DO CÂNCER COLORRETAL

//COMISSÃO DO SENADO DEBATERÁ DIFICULDADES DE TRATAMENTO DO CÂNCER COLORRETAL
A Comissão de Assuntos Sociais (CAS) debaterá em audiência pública na terça-feira (3) os desafios de tratamento e diagnóstico do câncer colorretal. Esse tipo de câncer atinge o intestino grosso, que é subdividido em cólon e reto. Conforme o portal do Senado Federal publicou, o pedido de realização da audiência é da senadora Ana Amélia (PP-RS). O tratamento do câncer colerretal é feito por cirurgia para remoção do tumor. A quimioterapia e radioterapia são indicadas, tanto para reduzir o tamanho dos tumores e torná-los operáveis, quanto para eliminar células cancerosas remanescentes. A detecção precoce do câncer é fundamental, quanto mais cedo se descobre o câncer, maiores são as chances de cura da doença. Identificados previamente, pólipos ou tumores podem ser removidos antes de se transformarem em câncer. A realização da colonoscopia, exame que identifica a presença de tumores no intestino grosso, é recomendada principalmente par pessoas com mais de 50 anos. Os sintomas do câncer colorretal incluem dor abdominal, alterações no hábito intestinal, sangramento, fraqueza e entre outros. No Brasil, o Instituto Nacional de Câncer (Inca) registrou 16,6 mil casos novos de câncer de cólon e reto em homens e 17,6 mil em mulheres no ano de 2016. “A reunião da CAS está marcada para às 14h, na sala 13 da Ala Alexandre Costa, no Anexo 2 do Senado”, diz o portal.

Como tratar o câncer

Os gastos do Sistema Único de Saúde (SUS) com cirurgias oncológicas, quimioterapia e radioterapia cresceram 9% em termos reais de 2010 a 2014, alcançando R$ 2,5 bilhões. De acordo com o editorial da Folha de S.Paulo, a taxa nacional de incidência de câncer, considerados todos os tipos de tumores, está em 273 casos por grupo de 100 mil habitantes, um pouco acima da média de 253 num grupo de países comparáveis (Argentina, Colômbia, México, Turquia e Rússia), selecionados no relatório “Alternativas para a Ampliação do Acesso à Saúde no Brasil – Um Estudo3 em Oncologia”, da Interfarma. É uma tendência global: os casos de câncer aumentam conforme avança o envelhecimento populacional e a melhora do nível de vida. O aspecto destoante, no caso brasileiro, é a evolução da mortalidade. Ela se acha estagnada, em torno de 90 óbitos por 100 mil. A progressão dos gastos sem redução da mortalidade, entretanto, sugere que haja um problema de eficácia nos serviços de prevenção, tratamento e cuidados paliativos para o câncer, tanto no setor público de saúde quanto no privado. O relatório faz várias recomendações, das quais são destacadas duas pelo editorial da Folha. A primeira, e mais óbvia, é aperfeiçoar o sistema de coleta de dados sobre incidência da doença e eficácia de tratamentos, de modo a oferecer melhor apoio para planejamento e decisões. A outra é rever o esquema de pagamento a hospitais e médicos com base apenas na quantidade e no valor dos procedimentos realizados —”sem mecanismos claros que busquem promover a eficiência dos gastos e tampouco o cuidado de longo prazo com os pacientes”, alerta o estudo.

“As associações de pacientes se tornaram advogadas da indústria farmacêutica”

Sharon Batt foi diagnosticada com câncer aos 43 anos. Então, Sharon decidiu unir-se a um grupo de mulheres que começava a formar um movimento para reivindicar os direitos dos pacientes. Hoje, aos 72 anos, sobrevivente do câncer de mama e de outros dois – de ovário e de cólon –, Sharon diz não reconhecer mais o movimento a que se unira 30 anos atrás. “As associações de pacientes migraram para a esfera corporativa e se tornaram realmente advogadas dos mesmos interesses da indústria farmacêutica”, diz Sharon. Em entrevista à revista Época, ela conta que decidiu assumir o papel de pesquisadora e estudar o fenômeno. Desde então, analisa a influência da indústria farmacêutica sobre políticas de saúde pela Universidade Dalhousie, na Nova Escócia, uma das dez províncias que formam o Canadá. O resultado dos anos de pesquisa, mesclado com sua experiência pessoal à frente de associações de pacientes canadenses, virou o livro Health advocacy inc, em que revela como a indústria farmacêutica financia associações de pacientes para pressionar o governo a comprar seus tratamentos cada vez mais caros. “Financiados pela indústria, os grupos de pacientes fazem ações de ‘conscientização’ que acabam promovendo essas novas drogas entre os pacientes e pressionando os políticos”. “O problema se repete com associações que defendem pacientes com vários tipos de doença, não só câncer – e não é exclusivo do Canadá. Acontece em outros países, inclusive no Brasil”, afirma ela na entrevista.

Justiça Federal restringe atividade de enfermeiros no SUS

O juiz da 20ª Vara da Justiça Federal de Brasília, Renato Borelli, concedeu liminar que proíbe enfermeiros de revalidar receitas médicas e de requisitar consultas e exames. A decisão deve afetar de forma significativa o atendimento no Sistema Único de Saúde (SUS) já que o Ministério da Saúde autoriza que enfermeiros da atenção básica realizem essas tarefas, sobretudo nas equipes do Programa da Saúde da Família. O Estadão destaca que a ação foi interposta pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), sob o argumento de que essas tarefas são atribuições exclusivas do médico. “Permitir que outro profissional exerça tal atividade é colocar em risco a qualidade do atendimento”, afirmou o presidente do CFM, Carlos Vital. De acordo com ele, mesmo a renovação de receitas já concedidas deve ser realizada por um médico ou sob sua supervisão. “O que se viu, na prática, é que enfermeiros vinham desempenhando a atividade sem qualquer tipo de acompanhamento”, observou. Em determinados locais, algumas tarefas, como a renovação de receitas anteriormente concedidas por médicos, é feita por enfermeiros há anos. “O ministro da Saúde, Ricardo Barros, afirmou não conhecer o teor da decisão, mas observou que em muitos países várias práticas do cuidado médico são divididas em equipe”, ressalta a reportagem.

SAÚDE NA IMPRENSA

 

Ministério da Saúde – Ministério da Saúde amplia oferta do tratamento para aids com medicamento inovador

Ministério da Saúde – Ministro da Saúde participa de inauguração de unidade de saúde em Foz do Iguaçu (PR)

ANS – Assistência qualificada ao idoso na saúde suplementar

Anvisa – Jarbas apresenta proposta de nova pactuação de funções

Inca – Congresso INCA 80 Anos: pesquisa inédita diz que brasileiros apoiam e querem mais ações do Estado contra o tabagismo

Senado Federal – CAS analisa projeto que prevê ajuda de custo para tratamento de saúde em outra cidade

Senado Federal – CAE pode aprovar mais recursos do petróleo para ensino básico e saúde

Senado Federal – Senadores discutem leis sobre planos de saúde

Senado Federal – CAS debaterá dificuldades de tratamento do câncer colorretal

Câmara dos Deputados – Comissão sobre inovação em medicamentos tem debate na terça

ALESP – Carta de intenção libera verba para hospital

ALESP – Debate sobre a proibição do amianto

ALESP – Impacto da formação do profissional por meio de EaD no atendimento de saúde

ALESP – População reclama da saúde no Vale Histórico

ALESP – Alesp promoverá debate sobre prevenção do câncer de mama

Correio Braziliense – Mosquito transmissor da malária pode ser desativado por bactéria

Correio Braziliense – Butantan inicia fabricação de 60 milhões de vacinas contra gripe para 2018

Correio Braziliense – Animais atuam como terapeutas no tratamento de doenças

Correio Braziliense – Saiba quais são os riscos de tatuagens e piercings em jovens

Correio Braziliense – Americanos vencem Nobel de Medicina por pesquisas sobre relógio biológico

Época – Check-Up – “As associações de pacientes se tornaram advogadas da indústria farmacêutica”

Folha de S.Paulo – Editorial: Como tratar o câncer

Folha de S.Paulo – Saúde continua o principal problema citado por entrevistados, diz Datafolha

Folha de S.Paulo – Marcelo Leite – Chineses acham mutação que pode explicar elo da zika com microcefalia

Folha de S.Paulo – Cadê a Cura: Grupo de pesquisa do A.C.Camargo vai tentar desvendar segredos da imunoterapia anticâncer

Folha de S.Paulo – Um em cada cinco paulistanos tem pressão alta, aponta pesquisa

G1 – De teste de DNA caseiro a organismos geneticamente modificados: os projetos dos biohackers brasileiros

O Estado de S.Paulo – Droga para doença de Parkinson apresenta efeitos contra o câncer, diz novo estudo

O Estado de S.Paulo – Justiça Federal restringe atividade de enfermeiros no SUS

O Estado de S.Paulo – Cubanos movem ações: ‘cansa ser escravo’

O Globo – Quase metade dos fumantes brasileiros quer largar o cigarro

O Tempo – País deve autorizar, em 2018, plantio medicinal da maconha

Uol – Câncer de mama metastático não é mais visto como sentença de morte

Veja – O médico que vale ouro

Valor Econômico – Acordo para vender Amil e hospitais pode atingir R$ 7 bi

Valor Econômico – Sandoz aposta em biossimilar e parcerias para crescer no Brasil

Blog do Jamildo – MPF ameaça governo com ação criminal se PDS da Hemobrás for suspensa

Gazeta do Povo – Barros assume interesse político em mercado de sangue em Maringá

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.