CLÍNICAS POPULARES DE SÃO PAULO PASSAM A OFERECER SERVIÇOS MAIS COMPLEXOS

//CLÍNICAS POPULARES DE SÃO PAULO PASSAM A OFERECER SERVIÇOS MAIS COMPLEXOS
As clínicas populares que começaram a atrair brasileiros nos últimos anos com consultas a preços mais acessíveis apostam agora na oferta de serviços mais complexos para ampliar a rede, conseguir mais clientes e aumentar a receita. Ressonância magnética, biópsia, vasectomia e fertilização in vitro são alguns dos procedimentos já disponíveis em redes na capital e Grande São Paulo. De acordo com o jornal O Estado de S.Paulo, especialistas e Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) ressaltam que as clínicas, embora práticas, não se equiparam a um plano de saúde ou à assistência integral dada por um sistema estruturado em diferentes complexidades, como o SUS. “A maioria dessas empresas surgiu ou registrou crescimento significativo nos últimos dois anos, período em que houve uma queda drástica do número de beneficiários de planos de saúde no País. Por causa da crise econômica, 2,4 milhões de brasileiros perderam o convênio entre 2014 e 2016, segundo dados da ANS”, destaca o trecho da reportagem.

Médicos aderem e fecham consultórios

As clínicas populares não se tornaram uma alternativa somente para pacientes. O Estadão destaca que médicos de diferentes especialidades estão fechando os consultórios particulares ou pedindo demissão de empregos em planos de saúde ou no SUS para atuar exclusivamente nesse tipo de negócio. O principal argumento dos profissionais que optaram pela mudança são os altos custos de manter uma estrutura própria. Abandonar o consultório particular e migrar para clínicas populares foi a opção, por exemplo, da endocrinologista Fernanda Lustosa Zinato, de 33 anos. “Além dos custos que tínhamos no consultório, o plano de saúde ainda demora até dois meses para pagar a consulta feita. Nas clínicas, também temos maior garantia de pacientes”, diz ela, que se mudou de Limeira, no interior de São Paulo, onde tinha um consultório com o marido, também médico, para São Paulo. “Pensávamos em outras possibilidades de trabalho quando nos mudamos, mas à medida que fui trabalhando na clínica e vi a praticidade optei por ficar somente lá”, relatou ao Estadão.

Ministério recorrerá de importação de medicamento

O Ministério da Saúde divulgou nota sobre a decisão liminar do juiz Haroldo Nader, da 6ª Vara Federal de Campinas, para que o Ministério da Saúde ofereça o medicamento L-asparaginase, da marca Aginase, para o Centro Infantil Boldrini. “O Ministério da Saúde foi notificado oficialmente da ação judicial e vai recorrer da decisão. Como o Centro Infantil Boldrini já recebe os recursos para realizar seus procedimentos pelo SUS, o que inclui a aquisição de medicamentos, o ministro considera que decisão está cumprida em seus efeitos. Somado aos recursos públicos para os tratamentos, a entidade já tem autorização da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para importar a L-asparaginase de sua preferência. Ainda, no recurso, será indicado que o medicamento Aginase já teve seu pedido de registro na Anvisa recusado por 17 pendências, o que impediria a aquisição do medicamento pela pasta. Sobre produto adquirido e distribuído pelo Ministério da Saúde, a Leuginase, uma análise foi realizada pelo instituto de referência nacional para qualidade de produtos da saúde, o INCQS (Instituto Nacional de Controle e Qualidade em Saúde, da Fiocruz). Na avaliação foi constatada a capacidade de ação contra o câncer. O produto está dentro do padrão de referência e já tem sido utilizado por hospitais de em todo o país, tendo sido observado que a ação e os efeitos adversos estão dentro do previsto pela literatura científica e técnica. Outros cinco países que utilizam o medicamento também foram consultados e apontaram que não há elementos que contraindiquem a distribuição do produto”, ressalta a publicação no site do Ministério da Saúde.

Implante de mama é associado a câncer

Médicos americanos alertam para uma rara forma de câncer que afeta mulheres que colocaram implantes mamários. Chamado linfoma anaplásico de células grandes associado a implantes mamários, ele atingiu um pequeno percentual das mais de dez milhões de mulheres no mundo que já receberam esse tipo de prótese, segundo reportagem publicada no domingo (14) no jornal “The New York Times”. Segundo médicos, quase todos os casos são associados a implantes com algum tipo de rugosidade na superfície. Essas rugosidades poderiam causar inflamações que, por sua vez, levariam ao câncer. Se detectada precocemente, essa forma de linfoma tem cura. Reportagem do jornal O Globo diz que um estudo da FDA, em março deste ano, relacionou nove mortes aos implantes mamários. “A agência americana informa ter recebido 359 notificações desse tipo de linfoma em todo o mundo. No entanto, o número real de casos é desconhecido porque o sistema da FDA é baseado em notificações voluntárias de médicos e pacientes. Por isso, se espera que o número de casos venha a crescer à medida que mais médicos e mulheres tomem conhecimento da existência da doença, que pode estar sendo erroneamente diagnosticada”, destaca o texto.

SAÚDE NA IMPRENSA
Ministério da Saúde – Ministério recorrerá de importação de medicamento reprovado pela Anvisa

Folha de S.Paulo – OMS anuncia detecção de novo surto de ebola no Congo

Folha de S.Paulo – Pouco conhecida, doença causa ‘curto-circuito’ entre cérebro e boca

O Globo – Implante de mama é associado a câncer

O Globo – Cresce oferta de ‘papinhas gourmet’ que remetem à comida da mamãe

O Estado de S.Paulo – Clínicas populares em SP já oferecem até fertilização in vitro e ressonância

O Estado de S.Paulo – Médicos aderem e fecham consultórios

Correio Braziliense – Osteoartrite: nova terapia traz esperança para recuperação de movimentos

Correio Braziliense – Precisamos falar sobre depressão: casos aumentaram 18,4% em uma década

Jornal de Brasília – Ministério Público do Rio bloqueia bens de ex-secretários de saúde do Estado

G1 – Ministério da Saúde disponibiliza 36 mil salas equipadas para o Dia D de Vacinação contra gripe

G1 – Quase metade dos casos notificados de febre amarela foram descartados, diz ministério

G1 – Projeto de combate à obesidade mobiliza cidade no interior de SP

Terra – Como o derretimento de geleiras está levando ao ressurgimento de doenças ‘adormecidas’

R7 – Saúde bucal no DF: um dentista para cada 6,3 mil habitantes

Extra – Programas oferecem descontos de até 65% na compra de remédios

Revista da Semana – Atendimentos médicos crescem na rede municipal de saúde

Poa 24Horas – Avaliação leva centenas de gestantes ao Instituto de Cardiologia em Porto Alegre

Campo Grande News – Desafio Saúde vai até o fim do ano e quer colocar a Capital na medida certa

Boa Informação – Biossensor verifica se há problema na taxa de glicose por meio de lágrimas

Expresso MT – SUS vai receber 3,9 milhões de frascos da alfaepoetina

Portal de Angola – Benguela: Registados 96 casos de cancro de útero

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.