​QUANTO O CÂNCER CUSTA À ECONOMIA DO BRASIL

//​QUANTO O CÂNCER CUSTA À ECONOMIA DO BRASIL

O impacto humano do câncer é bem conhecido: são mais de 225 mil mortes no Brasil a cada ano. Um estudo inédito mediu as perdas que esse mal impõe à economia, levando em conta o recuo na produtividade causado pelos 87 mil óbitos registrados na população economicamente ativa – ou seja, pessoas com idade entre 15 a 65 anos. A estimativa é de que o país sofra um prejuízo de R$ 15 bilhões e a 0,21% de toda a riqueza gerada. De acordo com o G1, o estudo analisa as perdas causadas pelo câncer à economia dos Brics (grupo de emergentes composto por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), e foi divulgado neste mês pela publicação “Câncer Research Epidemiology”. Foram usados dados de 2012, que permitiram analisar o impacto econômico da doença para além dos indicadores triviais de incidência, mortalidade e sobrevivência. Mais de dois terços dos 8,2 milhões de mortes anuais por câncer no mundo ocorrem em países de renda média e baixa. Os prejuízos às economias desses países somam aproximadamente R$ 150 bilhões por ano, segundo os parâmetros da pesquisa.

Tabaco, obesidade e doenças infecciosas

A maior parte das perdas no Brasil ocorre por causa do câncer de pulmão, que tem o cigarro entre as principais causas. Só o custo das mortes por tabagismo foi estimado em R$ 1,3 bilhão ao ano. A obesidade também eleva o número de casos. “Taxas de obesidade que crescem rapidamente correspondem no Brasil a 2% dos casos de câncer em homens e quase 4% em mulheres. Isso aplicado aos resultados indica mais de R$ 400 milhões em perdas de produtividade por ano”, diz o estudo. Outra característica brasileira é o alto número de casos de origem infecciosa. Com isso, no Brasil há “a coexistência de doenças típicas de países em desenvolvimento e de países desenvolvidos”. O G1 ressalta ainda que a diferença de participação entre homens e mulheres no mercado de trabalho também foi considerada no estudo, revelando diferenças nas perdas econômicas de acordo com o gênero. “Na média, cada vida perdida por câncer no Brasil na população economicamente ativa gera uma perda média de R$ 176 mil. No caso das mulheres, são R$ 145 mil, e no dos homens, R$ 197 mil”, frisa o G1, parte do estudo.

Vacina fracionada feita no Brasil protege contra febre amarela em 98% dos casos, diz estudo

As doses fracionadas da vacina contra a febre amarela geram anticorpos contra a doença em 98% dos casos, de acordo com um estudo publicado na revista “New England Journal of Medicine”. Segundo a pesquisa, os resultados colocam o fracionamento da vacina como uma abordagem adequada para combater as epidemias. Conforme o Estadão informou, o estudo avaliou a mesma vacina fracionada que vem sendo aplicada no Brasil. Os estudo foi realizado a partir de um programa de vacinação realizado em 2016, durante epidemia de febre amarela na República Democrática do Congo. De acordo com o artigo, como o suprimento disponível da vacina era insuficiente para uma campanha de tal dimensão, o governo congolês seguiu uma recomendação da OMS e vacinou 7,6 milhões com uma dose fracionada produzida pelo Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos da Fiocruz. “Uma dose fracionada de vacina contra a febre amarela foi efetiva para induzir a soroconversão na maioria dos participantes. Esses resultados apoiam o uso de uma vacinação com doses fracionadas para controle de epidemias”, conclui o estudo.

Com novas recomendações, OMS tenta frear explosão de cesáreas

A OMS publicou nesta quinta-feira (15), novas recomendações sobre padrões de tratamento e cuidados relacionados a mulheres grávidas. O objetivo é reduzir “intervenções médicas desnecessárias”. De acordo com a OMS, 140 milhões de nascimentos ocorrem no mundo a cada ano. A maioria sem complicações. Segundo o Estadão, com dados de 2016, a OMS aponta o Brasil como um dos líderes em cesáreas no mundo e alerta que o aumento nas práticas em partos se transformou em uma “epidemia”. No Brasil, os dados de 2016 mostram que 55,6% dos partos no País foram cesáreas, a segunda maior taxa do mundo. “Para reverter a situação ou pelo menos frear o aumento de casos, 56 medidas foram anunciadas pela entidade. Elas incluem uma melhor comunicação entre médicos e as mães, permitir que sejam as mulheres que possam opinar sobre sua administração da dor durante o processo de dilatação e posições para o parto. Um dos aspectos centrais da recomendação é a de reconhecer que cada parto é “único” e tem um ritmo diferente. Entre as recomendações, a entidade pede que médicos informem as mulheres sobre a duração do parto. Na avaliação da entidade, uma redução no número de cesáreas desnecessárias liberaria recursos para casos em que o risco é real”, enfatiza a reportagem.

SAÚDE NA IMPRENSA
ALESP – Credenciamento de hospital do Grendacc pelo Ministério da SaúdeCâmara dos Deputados – Projeto exige a realização de avaliação pré-anestésica

Senado Federal – Direito de pacientes a informações médicas está em análise na CCJ

Senado Federal – Estabelecimento que reaproveita produto de saúde de uso único poderá ser fechado

Correio Braziliense – Nova pele eletrônica pode ser usada em robôs e ajudar medicina 

Correio Braziliense – Obesidade dificulta diagnóstico e tratamento do câncer de mama

Correio Braziliense – Cientistas desenvolvem terapia virtual contra paranoia e ansiedade

Folha de S.Paulo – Traficantes de órgãos ‘roubam’ líquido cerebral de 12 mulheres no Paquistão

Folha de S.Paulo – Médicos Sem Fronteiras admite 24 casos de assédio ou abuso sexual

Folha de S.Paulo – Em queda no país, casos de dengue voltam a crescer em São Paulo

Folha de S.Paulo – Opinião: Saúde e liberdade

Folha de S.Paulo – Opinião: Deveres na saúde

G1 – EUA aprovam exame de sangue capaz de detectar lesão cerebral microscópica

G1 – Médicos retiram 14 vermes de um único olho de mulher nos EUA

G1 – As polêmicas transfusões de sangue para retardar a velhice que são moda entre milionários nos EUA

G1 – Quanto o câncer custa a economia do Brasil

O Estado de S.Paulo – Casos suspeitos de dengue triplicam em São Paulo em janeiro

O Estado de S.Paulo – Vacina fracionada feita no Brasil protege contra febre amarela em 98% dos casos, diz estudo

O Estado de S.Paulo – Com novas recomendações, OMS tenta frear explosão de cesáreas

O Globo – Pesquisa mapeia a relação entre o álcool e a agressividade

O Globo – Cientistas brasileiros testam MDMA para tratar transtorno de estresse pós-traumático

O Globo – Primeiro remédio à base de maconha aprovado no país chega ao mercado com preços altos

O Globo – Pesquisadores conseguem ‘reverter’ Alzheimer em estudo

O Globo – Bebês siamesas que dividiam coração são separadas com sucesso nos EUA

O Globo – Alimentos ultraprocessados estão relacionados com o câncer, diz estudo

O Globo – ‘Dieta restritiva, um gatilho para engordar, diz nutricionista

O Globo – Opinião: Não existe mágica

Zero Hora – Universidade dos EUA aprova uso de cachorros para ajudar pacientes na UTI

Zero Hora – Produtos químicos presentes no ambiente podem aumentar o peso corporal

Zero Hora – Fentanil agrava a crise de opioides no Reino Unido

Zero Hora – Sírio-Libanês promete diagnóstico sobre hospital gaúcho em três meses

Valor Econômico – Orçamento da Casa Branca propõe U$ 15 tri em novos investimentos

Valor Econômico – Desnutrição atinge até 70% das crianças na Venezuela, diz relatório

Atuais News – Surto de febre amarela evidencia risco de epidemias de outras doenças no Brasil

Rede de Notícias – Proposta quer desburocratizar registro de medicamento estrangeiro

Poços Já – Empresária supera doença rara para completar a prova de 16 km mais difícil do Brasil

Jornal Repercussão – Espera por consultas especializadas e cirurgias afeta milhares de cidadãos

Rádio Progresso – Hospital Três Passos receberá consultoria do Ministério da Saúde

Yahoo – SUS disponibiliza comprimido para prevenção do HIV

O Anápolis – Por que o cigarro eletrônico não é autorizado?

Jovem Pam  – Criança venezuelana é hospitalizada com sarampo em Roraima

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.