PRONTUÁRIO ELETRÔNICO PODE GERAR ECONOMIA DE R$ 22 BI PARA O SUS

//PRONTUÁRIO ELETRÔNICO PODE GERAR ECONOMIA DE R$ 22 BI PARA O SUS
Para entender o Sistema Único de Saúde e gerir de forma eficiente os recursos, é preciso obter dados sobre o tratamento destinado aos brasileiros. De acordo com o Valor Econômico, o diagnóstico é do ministro da Saúde, Ricardo Barros. Segundo ele, a informatização da atenção básica é o primeiro passo para a implementação de um sistema nacional de prontuário eletrônico, que será a base para o planejamento, controle e alocação de recursos públicos. Entre as medidas, está prevista a instalação do prontuário eletrônico do cidadão em todas as Unidades Básicas de Saúde. Ao instalar o software, os profissionais passam a registrar as informações clínicas criando um histórico de cada cidadão atendido na rede pública. “A meta é terminar 2018 com todas as UBSs informatizadas. Segundo o Ministério da Saúde, a atenção básica é capaz de solucionar até 80% das demandas de saúde. Os usuários do SUS terão seus dados biométricos cadastrados. O prontuário é utilizado por 17.431 UBSs, em 3.070 municípios. O projeto contará com investimento inicial de R$ 1,5 bilhão por ano. A expectativa de Barros é de que o SUS economize R$ 22 bilhões por ano ao ampliar a eficiência no atendimento”, enfatiza a reportagem.

Operadoras têm estratégias diversas para ressarcir o SUS

O uso da rede pública por usuários que têm planos de saúde, nos últimos 17 anos, gerou um débito de R$ 7,5 bilhões. Desse total, o SUS já recebeu R$ 1,9 bilhão. Grandes convênios médicos do país nunca pagaram o passivo, desde que o ressarcimento entrou em vigor, em 2000. Já outras grandes operadoras quitaram praticamente 100% do valor cobrado pela agência reguladora. Segundo o Valor Econômico, há cerca de dez dias, o STF determinou que as operadoras de saúde devem ressarcir o SUS quando seus clientes usarem a rede pública de saúde. Uma parcela do valor em aberto é questionada judicialmente por operadoras. Elas são contra a cobrança adicional de 50% sobre a “tabela SUS” quando um paciente com convênio médico usa a rede pública de saúde. A regra determina que o valor do ressarcimento não pode ser inferior ao cobrado pelo SUS nem superior ao custo da rede privada. “Além do depósito judicial, algumas operadoras parcelaram a dívida ou incluíram uma parte do passivo no Refis. Ainda de acordo com dados da ANS, várias operadoras já estão inscritas na dívida ativa da União por falta de ressarcimento ao SUS”, frisa o Valor.

Procedimentos especiais de medicamentos para doenças raras: norma entra em vigor dia 27

Conforme o portal da Anvisa a norma que trata dos procedimentos especiais de registro de novos medicamentos e outros trâmites para medicamentos destinados a doenças raras, a RDC 205/2017, entrará em vigor no próximo dia 27. As solicitações de anuência de ensaios clínicos e de registro para estes produtos seguirão critérios estabelecidos pela resolução. A norma estabelece procedimento especial para anuência de ensaios clínicos, certificação de boas práticas de fabricação e registro de novos medicamentos para tratamento, diagnóstico ou prevenção de doenças raras. “A RDC 205/2017 prevê em seu Artigo 5º que no momento do protocolo da petição deve ser informado se a solicitação é referente a medicamento para doença rara. As empresas interessadas em solicitar anuência de ensaios clínicos ou registro de novos medicamentos para doenças raras pelo procedimento especial deverão fazê-lo por meio do código de assunto 11316 – Aditamento doenças raras, em até 5 dias úteis. Deverá ser informado na folha de rosto do aditamento a petição para a qual se solicita avaliação pelo procedimento especial. Deverá ser anexada justificativa que comprove que a solicitação é referente a medicamento para doença rara e a ata da reunião de pré-submissão realizada na Anvisa”, afirma a publicação.

Registro de medicamento estrangeiro pode ser desburocratizado

Projeto da senadora Ana Amélia (PP-RS) desburocratiza o registro de medicamentos estrangeiros (PLS 8/2018). É o que informa o Senado Notícias. Atualmente, para que um medicamento ou insumo farmacêutico estrangeiro seja registrado no Brasil, é necessário que a empresa responsável comprove o registro do produto no país de origem. O medicamento também deve passar pelo processo de verificação de requisitos documentais e de segurança e eficácia pela Anvisa, o que é considerado um segundo registro. “O objetivo é simplificar os procedimentos, desburocratizar e facilitar também o trabalho da Anvisa em benefício da sociedade brasileira e dos pacientes em relação à novos medicamentos”, diz a senadora. “Na opinião da senadora, as regras vigentes prejudicam o acesso dos brasileiros a medicamentos que já estão no mercado internacional e que não chegam ao país por conta de uma regulamentação muito rígida. O texto será analisado em decisão terminativa na Comissão de Assuntos Sociais e, caso não receba emendas, pode seguir direto para a Câmara dos Deputados”, ressalta parte do texto.

SAÚDE NA IMPRENSA
Ministério da Saúde – Febre amarela: MS alerta para necessidade de aumentar a vacinação

Ministério da Saúde – Ministro da Saúde anuncia recursos para ampliar assistência em Cascavel, Laranjeiras do Sul e Guarapuava

Ministério da Saúde – Sesai/MS publica editais de Chamada Pública para atenção à saúde dos povos indígenas

Ministério da Saúde – Santa Casa de Maringá ganha reforço de R$ 2 milhões

Ministério da Saúde – Laranjeiras do Sul e cidades do centro-oeste do Paraná têm reforço de R$ 575 mil para ampliar e qualificar atendimento

Ministério da Saúde – Saúde libera R$ 3,1 milhões para Guarapuava e região, no Paraná

Ministério da Saúde – Cascavel e região têm reforço de R$ 3,3 milhões para ampliar e qualificar atendimento

Ministério da Saúde – Ministério da Saúde atualiza casos de febre amarela

Ministério da Saúde – Ministro da Saúde será entrevistado hoje no Programa Roda Viva

Ministério da Saúde – Hospital Federal dos Servidores inaugura Hemonúcleo

Ministério da Saúde – Ministério da Saúde formará 250 mil agentes em técnico em enfermagem

Anvisa – Priorização de análise: entenda as novas regras

Anvisa – Governo estabelece diretrizes para Análise de Impacto Regulatório

Anvisa – Agências pedem novo posicionamento da AGU sobre diplomas

Anvisa – Participe do Webinar sobre o Certificado de Vacinação

Anvisa – Procedimentos especiais de medicamentos para doenças raras: norma entra em vigor dia 27

ANS – ANS disponibiliza números do setor relativos a janeiro

Fiocruz – Pesquisadora da Fiocruz PE é indicada para o Conselho Deliberativo do CNPq

Fiocruz – Fiocruz participa de debate sobre saúde pública em Tóquio

Fiocruz – Ministério da Saúde alerta para ampliação de cobertura vacinal

Inca – Informativo da Secretaria Executiva da CONICQ – nº 01/2018

ALESP – Audiência debate atendimento de escolas especializadas em autismo

ALESP – Depois de dez anos, Santa Casa de Presidente Epitácio volta a atender pelo Iamspe

ALESP – Projeto prevê atenção à saúde bucal de idoso

Câmara dos Deputados – Projeto susta portaria do Ministério da Saúde que alterou Atenção Básica 

Senado Federal – Registro de medicamento estrangeiro pode ser desburocratizado

Senado Federal – Proposta estabelece diretrizes para atendimento a bebês prematuros

Correio Braziliense – Estudo relaciona ansiedade ao Alzheimer; descoberta ajuda no diagnóstico

Correio Braziliense – Especialistas criam laboratório do sono dentro de casa

Correio Braziliense – Novo teste de sangue e urina pode detectar autismo precocemente em crianças

Folha de S.Paulo – Por longevidade, ciência mira em alvos moleculares e genéticos

Folha de S.Paulo – Após imbróglio, hospitais comprarão diretamente droga para tratar câncer infantil

Folha de S.Paulo – Desconhecimento ainda cerca endometriose, doença de Lena Dunham

Folha de S.Paulo – Pesquisadora dos EUA culpa indústria e médicos por crise de opioides

Folha de S.Paulo – Julio Abramczyk – Boca seca em idosos e os seus remédios

G1 – Japonês inventa tela de LED comparável a uma segunda pele

G1 – Cálcio está envolvido no surgimento da doença de Parkinson, diz estudo

G1 – Sujeira do ar condicionado pode provocar problemas de saúde

G1 – Empresa cobra R$ 660 mil para congelar corpo de quem espera reviver no futuro

O Estado de S.Paulo – Francesa que viajou por Minas Gerais é diagnosticada com febre amarela

O Estado de S.Paulo – Combate ao mosquito tigre asiático deve ser intensificado, defende diretor do Evandro Chagas

O Estado de S.Paulo – Chega a 5 o número de casos autóctones de febre amarela na cidade de SP; 3 morreram

O Estado de S.Paulo – País registra neste ano 460 casos de febre amarela e 153 mortes; Minas lidera infecções

Zero Hora – Justiça decide que proprietária de clínica suspeita de aplicar vacinas irregulares ficará em prisão domiciliar

Zero Hora – Hematopoiese, uma nova ameaça para o coração

Zero Hora – Conselho Regional de Farmácia vai abrir processo disciplinar contra dona de clínica de vacinas interditada

Zero Hora – Secretaria de Saúde emite novas orientações para quem fez vacina em clínica interditada

Zero Hora – Instituto diz que vírus da febre amarela no mosquito tigre asiático é “preocupante”

Valor Econômico – Prontuário eletrônico pode gerar economia de R$ 22 bi para o SUS 

Valor Econômico – Quando vale a pena optar por um plano hospitalar? 

Valor Econômico – Operadoras têm estratégias diversas para ressarcir o SUS 

Valor Econômico – Siemens abrirá capital da divisão de saúde no primeiro semestre 

____________________________________________________________________________

O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.