NO BRASIL, O ‘CAFÉ ESPECIAL’ É OURO EM GRÃO PARA OS PEQUENOS PRODUTORES

//NO BRASIL, O ‘CAFÉ ESPECIAL’ É OURO EM GRÃO PARA OS PEQUENOS PRODUTORES
Na ladeiras das montanhas de Caparaó, entre os estados de Minas Gerais e Espírito Santo, o agricultor Afonso Abreu de Lacerda, e seus vizinhos acabaram de colher manualmente as bagas vermelhas e amarelas dos arbustos de até dois metros de altura. Eles produzirão o café Arabica “especial”, com qualidade e preço muito superiores ao café comum, do qual o Brasil é o maior produtor mundial. De acordo com o site do G1, este café de qualidade superior permite que os produtores escapem das flutuações dos preços mundiais e garantam sua renda. Após uma visita de um técnico do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural, Afonso e seus irmãos descobriram que sua plantação tinha potencial para produzir café de alta qualidade. Em seguida, participou de formações e treinamentos com outros agricultores e em 2009 recebeu das autoridades públicas uma máquina para triagem e uma despolpadeira. Precursores na região, Afonso e seus irmãos agora vendem seus grãos para as melhores lojas especializadas do Brasil e exportam dois terços para vários países, incluindo Estados Unidos, Austrália e Japão. “De acordo com a Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA), enquanto a demanda global por café comum vem aumentando 2% por ano, a procura por café superior está crescendo de 10 a 15%”, afirma a notícia.

Cargill avalia projeto ferroviário de R$ 14 bi em parceria com rivais ADM e Bunge

A unidade brasileira da multinacional do agronegócio Cargill está considerando participação com parceiros no projeto ferroviário Ferrogrão, disse o CEO da empresa no país, Luiz Pretti, durante evento em São Paulo. Os parceiros no projeto de R$ 14 bilhões incluem as rivais ADM, Bunge e a brasileira Amaggi, disse Pretti. Com cerca de 1,1 mil quilômetros de extensão, a Ferrogrão deverá ligar regiões produtoras de grãos do Centro-Oeste ao porto fluvial de Miritituba, no Pará, de onde as cargas seguem em barcaças até terminais no Norte do país, para depois serem exportadas. A Cargill está aguardando a conclusão da modelagem do projeto antes de começar discussões com possíveis parceiros, disse Pretti, durante o evento. O governo pretende realizar no ano que vem o leilão da concessão da Ferrogrão. O vencedor do certame será aquele que oferecer ao governo federal o maior valor de outorga para a ferrovia. A Cargill, que vende 36 bilhões de reais por ano no Brasil, já investiu US$ 1,2 bilhão no país ao longo dos últimos seis anos, disse o executivo. No próximo ano, a Cargill planeja um investimento de R$ 500 milhões no Brasil, com 70% direcionado a projetos de infraestrutura, disse Pretti ao G1.

Emenda de Doha é aprovada pela Câmara dos Deputados

A Câmara dos Deputados aprovou na última semana a Emenda de Doha, que formaliza o segundo período de compromissos do Protocolo de Kyoto, acordo global para redução de emissões de gases de efeito estufa. Conforme o portal do Ministério do Meio Ambiente, pela Emenda, esse período irá até 2020. Para conter o aquecimento global e os prejuízos associados como secas e enchentes, vários dispositivos legais têm sido negociados e aprovados pela comunidade global. O projeto de decreto legislativo que confirma a adesão do Brasil à Emenda de Doha teve a relatoria do deputado Evandro Gussi (PV-SP) e seguirá, agora, para o Senado Federal. Caso aprovado, contribuirá para que a Emenda entre em vigor. O secretário de Mudança do Clima e Florestas do MMA, Everton Lucero, destacou que a aprovação demonstra o engajamento do Legislativo. Na COP 23, conhecida como Conferência do Clima, deputados e senadores discutiram medidas para avançar na área climática. “A Emenda revisa a lista de gases de efeito estufa a ser reportada pelos países e atualiza diversos artigos do Protocolo. Depois disso, será a vez do Acordo de Paris, mais recente tratado pela ação climática com a participação de mais de 190 países”, destaca parte da publicação.

Mercado de carnes melhora e frigoríficos se recuperam

A melhora das perspectivas para o segmento de carnes sobretudo no front doméstico no curto e médio prazos impulsionaram na B3 as ações da JBS e da Marfrig, que já haviam ganhado algum fôlego depois da divulgação dos resultados de ambas no terceiro trimestre. O grande destaque foi a alta de 8% dos papéis da JBS, a maior do Ibovespa. Com o salto, caiu para 22,7% a queda acumulada das ações da empresa neste ano, marcado por reflexos negativos derivados das delações premiadas de seus controladores e da operação Carne Fraca. Conforme cálculos do Valor Data, a valorização, gerou incremento de R$ 1,8 bilhão no valor de mercado da companhia, para R$ 24 bilhões. De acordo com analistas, ambas as empresas foram beneficiadas pela conjuntura mais positiva reforçada pelo comportamento do consumo das famílias no Brasil no terceiro trimestre – que, conforme informou o IBGE, subiu 1,2%. O raciocínio vale para as carnes bovina, suína e de frango. A JBS têm participações expressivas nos três mercados, enquanto o foco da Marfrig no Brasil está na bovina. Também concentrada na carne bovina, porém mais dependente das exportações, a Minerva Foods viu suas ações subirem na B3 (1,6%). Em meio às altas das ações de JBS, Marfrig e Minerva, chamou a atenção a estabilidade dos papéis da BRF, cujos negócios, capitaneados pela marca Sadia, estão concentrados nas carnes de frango e suína.

NA IMPRENSA
Mapa – Mapa reconhece o Amazonas livre de aftosa, com vacinação

Mapa – Agropecuária puxa o PIB de 2017

MMA – Guardiões da Amazônia são homenageados

MMA – Encontro capacita comunidades do Água Doce

MMA – Medida provisória fortalece gestão de UCs

MMA – Corredores ecológicos são tema de seminário

MMA – Brasil candidata sua 1ª Cidade Amiga das Áreas Úmidas

MMA – Emenda de Doha é aprovada pela Câmara dos Deputados

Embrapa – Peixes do Tocantins conservados para a posteridade

Embrapa – Centro britânico e Embrapa unem esforços para alavancar pesquisas sustentáveis

Embrapa – Megaprojeto com 20 instituições vai mapear solo brasileiro

Câmara dos Deputados – Sessão solene homenageia os 69 anos da extensão rural no Brasil

Câmara dos Deputados – Intervenção Assistida por Animais é tema de audiência na Câmara na quarta-feira

Câmara dos Deputados – Produção de vinho colonial no Paraná será debatida na Comissão de Agricultura

Câmara dos Deputados – Comissão de Agricultura debate políticas para planejamento das safras no Brasil

Senado Federal – Relator complementa voto sobre Código Brasileiro de Aeronáutica

Folha de S.Paulo – Vaivém das Commodities – Área de algodão deve dobrar em 5 anos

Folha de S.Paulo – Eleições vão dificultar avanço da infraestrutura em 2018, diz presidente do BNDES

G1 – No Brasil, o ‘café especial’ é ouro em grão para os pequenos produtores

G1 – O ‘café especial’ brasileiro é um mercado em plena expansão

G1 – Champignon é o cogumelo mais cultivado no Brasil

G1 – Cargill avalia projeto ferroviário de R$ 14 bi em parceria com rivais ADM e Bunge

O Estado de S.Paulo – Broadcast Agro – Rigor ambiental na China eleva preço de defensivo

O Estado de S.Paulo – Perdendo mercados

Valor Econômico – Após decisão judicial, preço do etanol despenca em Goiás

Valor Econômico – Ibovespa recupera os 73 mil pontos com exterior e trégua política 

Valor Econômico – Chuvas prejudicam produção de café na Colômbia 

Valor Econômico – De olho no exterior 

Valor Econômico – Mexicana Lala finaliza venda de 50% da Itambé para a mineira CCPR

Valor Econômico – Produtor de cana quer receber prêmio 

Valor Econômico – Consumo doméstico ajuda a impulsionar ações de frigoríficos 

Valor Econômico – Mercado de carnes melhora e frigoríficos se recuperam 

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.