MITOS E BUROCRACIA DETÊM AVANÇO DA AVIAÇÃO AGRÍCOLA NO BRASIL

//MITOS E BUROCRACIA DETÊM AVANÇO DA AVIAÇÃO AGRÍCOLA NO BRASIL
A aviação agrícola completa 70 anos no Brasil. Segundo informações do Canal Rural, publicadas nesta segunda-feira (3), estima-se que cerca de 30% da área plantada no país recebam pulverizações feitas por aeronaves, e o setor apresenta crescimento da ordem de 10% ao ano. Para o presidente do Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (Sindag), Júlio Augusto Kampf, a atividade sofre preconceito no país por uma parcela da população, que vê o avião agrícola como símbolo da poluição no sistema agropecuário. “Esse é um mito que a gente está tentando derrubar, mostrando que a aviação tem muita tecnologia e é mais eficiente para o controle de doenças com menor agressão ao meio ambiente”, declarou ele à reportagem. O Ministério da Agricultura considera a pulverização aérea mais segura que a terrestre. “A opinião do coordenador de aviação agrícola do Mapa, Luís Pacheco, é de que todos os profissionais que estão trabalhando com aviação agrícola sabem exatamente o que estão fazendo e os riscos e o perigo de não se trabalhar dentro das condições técnicas que a legislação indica. “Na última semana, representantes do governo e da aviação agrícola se reuniram em Brasília para buscar soluções para o setor se expandir. As sugestões foram reunidas em um documento que será encaminhado aos órgãos do governo envolvidos na aviação agrícola e também a todos os parlamentares do Congresso. O objetivo é pressionar as autoridades para que as demandas sejam atendidas o mais rapidamente possível”, ressalta a publicação do Canal Rural.

Irrigação ainda é pouco utilizada para ampliar a produtividade dos canaviais

Nas áreas mais antigas de canaviais, concentradas no Estado de São Paulo, a irrigação é basicamente para “salvar” a cultura. Mas nas fronteiras mais recentes, abertas na última década em regiões que chovem menos, como Goiás, a irrigação é mais intensiva, ainda que também considerada indispensável. Conforme noticiou o jornal Valor Econômico, o cenário da irrigação da cana no Centro-Sul foi traçado por um estudo feito em conjunto entre a Agência Nacional de Águas (ANA) e a consultoria Agrosatélite, a partir de imagens de satélite e pesquisas de campo com usinas na safra 2015/16. O trabalho considerou apenas áreas produtivas que responderam à irrigação. De acordo com o levantamento, a irrigação foi utilizada em 1,72 milhão de hectares de cana naquela temporada. Essa extensão é equivalente a 80% da área do Estado de Sergipe, e representou 17% da área total de cana no Centro-Sul (que somou 9,3 milhões de hectares). “Do total da área irrigada, em 98,4% a técnica foi considerada de “salvamento” – termo usado para classificar a irrigação indispensável para a cultura”, afirma parte da reportagem.

Bradesco amplia oferta de crédito para o agronegócio

A carteira de crédito do Bradesco dirigida ao agronegócio deve crescer 12% neste ano, mais que os 8% apurados em 2016 na comparação com 2015. O superintendente de Agronegócios do banco, Rui Pereira Rosa, disse à coluna Broadcast Agro, de O Estado de S.Paulo, que a previsão é emprestar ao setor R$ 24,6 bilhões, entre crédito rural com taxas subsidiadas, recursos com juros de mercado e linhas financiadas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O aumento deve ser puxado pela maior oferta de recursos livres com taxas de mercado, provenientes das Letras de Crédito do Agronegócio (LCAs). O executivo do Bradesco disse que o volume maior de LCAs será necessário para compensar o que deixou de ser atendido por depósitos à vista e poupança, de onde provém a verba para o crédito rural.

Embargo da carne brasileira pelos EUA levanta questões sobre o produto

Com a suspensão imposta pelos Estados Unidos à carne bovina fresca brasileira, o manejo realizado durante a vacinação contra a aftosa voltou a ser discutido. Os repórteres do Globo Rural acompanharam em três estados os problemas que envolvem a imunização do gado contra a febre aftosa: a produção da vacina, a fiscalização nos frigoríficos e a vacinação correta no campo. É o que informa o site do G1. A vacinação ocorre em todos os estados brasileiros, com exceção de Santa Catarina, que desde 2007 é considerado pela Organização Mundial de Saúde Animal um estado livre de aftosa sem vacinação. Em Mato Grosso, na recente campanha de maio, foram vacinados mais de 30 milhões de animais. São quatro procedimentos de inspeção: dois na linha de abates e outros dois após o resfriamento da carne. Os funcionários vistoriam peças que podem conter um abscesso escondido e fazem a retirada de toda a parte comprometida. “O Sindicato da Indústria de Produtos Animais (Sindan) nega que a vacina seja a responsável pela suspensão à carne fresca brasileira, mas adianta que a fórmula está sendo alterada. Uma missão técnica do Ministério da Agricultura vai aos Estados Unidos em julho discutir a questão do embargo”, enfatiza trecho da publicação.

NA IMPRENSA
Mapa – Análise feita para atender UE não detectou salmonella que afeta saúde pública

MMA – Governo federal atualizará Fundo Clima

Senado Federal – Sociedade Brasileira de Veterinária convida Eunício Oliveira para participar de congresso

Senado Federal – Agricultores familiares de Roraima serão beneficiados por proposta aprovada na CDR

Câmara dos Deputados – Comissão debate aumento de pena para crime de maus-tratos a animais

Câmara dos Deputados – Comissão aprova criação de agência de desenvolvimento agrário do Matopiba

Câmara dos Deputados – Comissão rejeita suspensão de decreto que declara fazenda do Tocantins de interesse para a reforma agrária

Câmara dos Deputados – Agricultura suspende desapropriação de cinco fazendas na Paraíba

Câmara dos Deputados – Deputados reclamam de lentidão no desenvolvimento da aviação regional

Câmara dos Deputados – Meio Ambiente aprova proposta que permite doação de alimentos sem condições de comercialização

Câmara dos Deputados – Comissão aprova MP que eleva multa para frigorífico que infringir normas sanitárias

Câmara dos Deputados – Deputados buscam garantir obras em aeroportos regionais

O Estado de S.Paulo – ‘Estado’ começa a publicar a coluna ‘Broadcast Agro’

O Estado de S.Paulo – Bradesco amplia oferta de crédito para o agronegócio

Folha de S.Paulo – Apesar de redução da Selic, juros de bancos para crédito pessoal sobem

Canal Rural – Mitos e burocracia detêm avanço da aviação agrícola no Brasil

Zero Hora – Fiscais agropecuários relatam ameaças e intimidações

Zero Hora – Projeto que permite a terceirização na vistoria de produtos de origem animal divide opiniões

G1 – Globo Rural – Conheça medidas que geram bons resultados contra o carrapato do boi

G1 – Globo Rural – Embargo da carne brasileira pelos EUA levanta questões sobre o produto

G1 – Globo Rural – Colheita de tomate está a todo vapor em Minas Gerais

G1 – Globo Rural – Produtores do Paraná se preparam para colher nova safra de milho

G1 – Globo Rural – Apesar de estável, greening preocupa nos laranjais de SP e MG, diz Fundecitrus

Valor Econômico – Agricultor pode solicitar recursos do Plano Safra a partir do dia 3 

Valor Econômico – Irrigação ainda é pouco utilizada para ampliar a produtividade dos canaviais

Valor Econômico – Marca Perdigão já está livre de todas as travas 

Valor Econômico – Grupo americano faz Cibra deslanchar no país 

Portal do Agronegócio – Lucro da Monsanto supera expectativas com alta nas vendas de soja dos EUA e Brasil

Notícias Agrícolas – Índice acionário de blue-chips da China recua com temores regulatórios e sobre crescimento

Notícias Agrícolas – Soja no Brasil: Dólar impede quedas em junho, aponta Cepea

Notícias Agrícoloas – Milho: Media de junho é a mais baixa desde julho/15; indicador é o menor do ano

Notícias Agrícolas – Mandioca: Baixa oferta sustenta cotações

Gazeta Online – Consumo médio de orgânicos cresce 20% ao ano; veja onde encontrar

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.