JUROS PARA O PRÓXIMO PLANO SAFRA PREOCUPAM PRODUTORES

//JUROS PARA O PRÓXIMO PLANO SAFRA PREOCUPAM PRODUTORES
O governo anunciou, na quarta-feira (7), o Plano Agrícola e Pecuário de 2017/18, dinheiro a ser destinado ao produtor rural para custeio, investimento e comercialização. Conforme a coluna Vaivém das Commodities, da Folha de S.Paulo, o plano não foi considerado o ideal pelos produtores devido aos efeitos da crise econômica. “O volume de dinheiro colocado à disposição do produtor e do pecuarista neste ano apenas corrige a inflação dos últimos 12 meses. A taxa de juros embutida no plano, embora tenha caído, contém um subsídio menor do que o de 2016”, ressalta a publicação. Os recursos que serão destinados aos produtores no período de julho deste ano a junho do próximo serão de R$ 190,25 bilhões, 3,5% mais do que o de 2016/17. “Em 2016, quando anunciado o plano, o juro era de 8,5% e 9,5% ao ano, 60% da Selic na taxa inferior. A taxa de juros deste ano, ao recuar para 7,5%, representa 73% da Selic. O produtor vai pagar um percentual menor, mas haverá um alívio ainda maior para o Tesouro, que vai subsidiar menos a próxima safra”, diz trecho da matéria.

Limites máximos de resíduos de defensivos agrícolas

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) destacou em seu site a aprovação da Instrução Normativa Conjunta entre a Agência e o Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa), realizada na última terça-feira (6), que internaliza a Resolução Mercosul GMC nº 15/16 e dispõe sobre os critérios para o reconhecimento de Limites Máximos de Resíduos de Agrotóxicos em produtos vegetais in natura. “O regulamento proposto tem por objetivo conferir agilidade ao comércio de produtos vegetais in natura entre os Estados Partes do Mercosul sem prejuízo à saúde dos consumidores de cada país, uma vez que preserva seus individuais tanto para o estabelecimento de seus próprios LMRs, quanto para o cálculo do impacto dos resíduos de agrotóxicos sobre suas populações. A nova norma estabelece que, para o reconhecimento de Limites Máximos de Resíduos de Agrotóxicos entre os Estados Partes do Mercosul, será obrigatório que o ingrediente ativo esteja registrado no país exportador. A minuta foi amplamente debatida e harmonizada durante diversas rodadas de negociação na Comissão de Alimentos do Mercosul”, completa a nota.

Portaria agiliza registro de produtos veterinários

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) noticiou que o prazo de registro de medicamentos de uso veterinário deverá cair para apenas seis meses com as medidas definidas na Portaria 72, publicada na quarta-feira (7), no Diário Oficial da União. A norma fixa critérios para priorização da análise de novos registros e alterações de registro desses insumos, atendendo propostas de racionalização do Plano Agro+ do Mapa. Com a portaria, as categorias de produtos que poderão trazer maiores benefícios à saúde animal e pública deverão ser licenciadas prioritariamente. Com produtos mais modernos e mais eficientes o produtor poderá ter redução nos custos de sua atividade. “A portaria especifica que passarão a frente na fila de pedidos de registro aqueles com inovação incremental (alteração resultante de nova forma farmacêutica, nova concentração, nova via de administração ou nova indicação para um princípio ativo já registrado no país), desde que tenham como objetivo a indicação para nova espécie ou para outra doença para as quais não exista alternativa terapêutica”, diz o noticiário do Mapa.

Especialistas pedem compromisso do setor público com erradicação da febre aftosa

Especialistas elogiaram, na última quarta-feira (7), o Novo Plano Nacional de Erradicação da Febre Aftosa, mas ponderaram que ele só terá condições de ser cumprido se o poder público se comprometer a destinar os recursos necessários para essa finalidade. O portal do Senado Federal destaca que a afirmação foi feita durante audiência pública da Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA), com a finalidade de apresentar o Plano Estratégico 2017-2026 do Programa Nacional de Febre Aftosa do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Após a suspensão da vacinação, há a exigência de uma vigilância soroepidemiológica por 12 meses. Feita a vigilância, o Ministério da Agricultura faz o reconhecimento de cada bloco como livre da vacinação e faz o encaminhamento de pleito à Organização Mundial da Saúde Animal (OIE). “A expectativa do Ministério da Agricultura, informou o diretor do Departamento de Saúde Animal da Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Guilherme Marques, é de que o Brasil seja reconhecido internacionalmente como país livre da febre aftosa, sem vacinação, em maio de 2023”, ressalta a publicação.

NA IMPRENSA 
Mapa – Portaria agiliza registro de produtos veterinários

Mapa – Brasil e Polônia têm grande potencial para parceria no agronegócio, diz Novacki

Anvisa – IN da Anvisa e do Mapa internaliza resolução do Mercosul

Embrapa – Governo anuncia R$ 190,25 bilhões para novo Plano Agrícola e Pecuário

Embrapa – Técnica de propagação rápida da mandioca ajudará a multiplicar cultivares em Roraima

Embrapa – Tradição e Inovação lado a lado

Fiocruz – Radis analisa o impacto da transposição do Rio São Francisco

Fiocruz – Fiocruz Mata Atlântica leva Terrapia para comunidade local

Senado Federal – Especialistas pedem compromisso do setor público com erradicação da febre aftosa

Câmara dos Deputados – Cancelada reunião para votar proposta sobre proteção de cultivares

Câmara dos Deputados – Redução da emissão de poluentes pode trazer competitividade internacional, dizem debatedores

Câmara dos Deputados – Especialistas defendem turismo sustentável em áreas de preservação ambiental

Folha de S.Paulo – Vaivém das Commodities – Juros para o próximo plano de safra preocupam produtores

Folha de S.Paulo – BNDES quer triplicar crédito para capital de giro de pequenas e médias

O Estado de S.Paulo – Em anúncio de Plano Safra, Temer diz que fica no governo até 2018

O Estado de S.Paulo – Pecuaristas de MT se mobilizam para reduzir dependência da JBS

G1 – Plano Safra tem pontos positivos; nova colheita recorde é possível, diz Abag

G1 – Plano Safra: juro poderia ser menor com Selic e inflação em queda, diz CNA

G1 – IBGE eleva previsão de aumento da safra agrícola para 29,2% em 2017

Valor Econômico – Aqua Capital adquire controle de empresa de insumos do Paraná 

Valor Econômico – Argentina produzirá 160 milhões de toneladas de grãos em dez anos 

Valor Econômico – Fonterra reforça aposta em ingredientes 

Valor Econômico – Aquisição do Mataboi na berlinda 

Valor Econômico – Índice de preços dos alimentos da FAO sobe 2,2% em maio ante abril 

Valor Econômico – Petrobras: Justiça libera venda de unidade de fertilizantes

Expresso MT – Governo anuncia normas para reconhecimento dos limites de resíduos de agrotóxicos

Bonde – Agência da ONU usará drones para erradicar insetos que causam doenças

Tribuna do Ceará – Produção de frutas é discutida em Brasília

Portal do Agronegócio – Secretaria de Agricultura lança Programa de Inovação e Transferência de Tecnologia em Controle Biológico

ENSP – Relatório sobre conflitos no campo será lançado na ENSP nesta quinta-feira (8/6)

SNA – Transgênicos diminuem impacto ambiental da agricultura

Agência Alagoas – Projeto que garante alimentos sem agrotóxico nas escolas estaduais será votado em plenário

Salvador Notícias – Uso de agrotóxicos tornou-se um problema de saúde pública, diz Galo

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.