GOVERNO FLEXIBILIZA USO DE UNIDADES DE SAÚDE CONSTRUÍDAS COM VERBA FEDERAL

//GOVERNO FLEXIBILIZA USO DE UNIDADES DE SAÚDE CONSTRUÍDAS COM VERBA FEDERAL

O presidente Michel Temer assinou nesta terça-feira (22), um decreto que flexibiliza o uso de Unidades de Pronto Atendimento construídas com recursos do governo federal. Anunciada durante a Marcha dos Prefeitos, a medida representa um socorro para municípios que, depois de construída a unidade, decidiram mantê-la fechada por considerar muito alto o custo para sua manutenção. Segundo o Estado de S.Paulo, na regra vigente, quando o prédio não é usado da forma destinada no acordo, municípios deveriam devolver os recursos para a União. Para evitar a devolução, a alternativa criada pelo governo foi permitir que unidades sejam usadas para outras finalidades, desde que para área de assistência em saúde. Assim que assumiu o cargo, o ministro da Saúde, Gilberto Occhi, já adiantava que tal possibilidade estava em análise. Na época, contudo, o ministro afirmou que havia também a alternativa de um prédio de saúde ser usado também para abrigar uma unidade de educação. Tal alternativa não vingou”, informa a nota.

 

Ministro da saúde diz que rótulos alertarão sobre alto teor de açúcar



Folha de S.Paulo destacou que nesta terça (22), o ministro da saúde Gilberto Occhi palestrou na 71ª Assembleia Mundial da Saúde, evento da Organização Mundial da Saúde e afirmou que o país terá regras mais duras sobre os rótulos de alimentos ricos em açúcar. “Estamos engajados na adoção de políticas concretas e efetivas para conter o avanço da obesidade. O Brasil adotará medidas para alertar sobre o excesso de açúcar no rótulo de alimentos processados, e, assim, os consumidores poderão fazer escolhas mais saudáveis. Também estamos estruturando medidas para reduzir o açúcar nesses alimentos”, afirmou. A ideia da Anvisa é incluir, na parte da frente do rótulo dos alimentos, uma advertência sobre a presença de alto teor de açúcar, gorduras saturadas e sódio, algo que, se consumido em excesso, pode constituir fator de risco para ganho de peso ou doenças crônicas. “A medida ocorre após um grupo de trabalho constatar que o consumidor tem dificuldades para ler e entender informações presentes no rótulo”, destaca a Folha.

 

Governo deve R$ 21 bilhões ao SUS



O dinheiro reservado pelo governo federal para bancar a saúde pública em 2018 parece vultoso. De acordo com o portal UOL, o orçamento de R$ 130 bilhões, no entanto, é o segundo de 20 anos em que o Brasil viverá sem aumento real para reformar hospitais públicos, comprar novas ambulâncias ou cuidar da saúde preventiva da população. O que pouca gente sabe é que nem o valor que o Ministério da Saúde reserva para o SUS vem sendo totalmente executado. Uma dívida que disparou nos últimos anos e que já bate em R$ 20,9 bilhões até o fim de 2017. O nome oficial desse débito chama-se “restos a pagar”, despesas prometidas pelo governo, mas que não são honradas ao final de cada ano. A existência desses restos não é necessariamente um problema. O que preocupa Wanderley Gomes da Silva, conselheiro do Conselheiro Nacional de Saúde, é que “a maior parte desses restos a pagar são de despesas contratadas que ainda não se transformaram em serviços de saúde. O ministério pode ter contratado o fornecedor de medicamentos para distribuir a Estados e municípios, mas atrasou o pedido de compra e, portanto, não forneceu os remédios”, diz.

 

Magistrados discutem mecanismos para reduzir judicialização na saúde



Uma em cada quatro apelações distribuídas ao gabinete da desembargadora Christine Santini, do Tribunal de Justiça de São Paulo, tem os planos de saúde como parte em controvérsias como compra de medicamentos, realização de cirurgias e reajuste de valores. O dado foi apresentado pela magistrada no seminário Acesso à Justiça, realizado pelo Superior Tribunal de Justiça na segunda-feira (21), para discutir fatores que influenciam o custo do litígio no Brasil e aumentam demandas judiciais. É o que informa o jornal JOTA. Na tentativa de reduzir a litigância no setor, a magistrada propôs que o Judiciário colabore na criação de canais que aumentem a cooperação entre governo e cidadãos, no direito público, e entre os planos de saúde e beneficiários, no direito privado. Destacada no evento, uma das principais controvérsias na saúde envolve a compra de medicamentos. “De acordo com relatório de auditoria do Tribunal de Contas da União, 53% dos gastos do Ministério da Saúde em aquisições por determinação da Justiça, de 2010 a 2015, se concentraram em três remédios: elaprase, naglazyme e soliris”, afirma a matéria.

 

SAÚDE NA IMPRENSA
Ministério da Saúde – Alimentos com muito açúcar terão alerta para consumidor 

 

Ministério da Saúde – Decreto presidencial flexibiliza finalidade de UPAs

 

Ministério da Saúde – Brasil e EUA vão destinar R$ 14 milhões para pesquisas

 

Ministério da Saúde – DSEI Xingu realiza primeiro encontro de saúde mental

 

INCA – Anvisa aprova relatório preliminar de mudança nas regras de rotulagem de alimentos

 

Fiocruz – Cartilha alerta para os riscos da resistência aos antibióticos

 

Fiocruz – Cine Saúde exibe o filme ‘Nise – O coração da Loucura’ nesta quinta

 

Anvisa – Cosméticos suspensos: fórmula errada e uso de formol

 

Anvisa – Anvisa divulga registro de implantes

 

Anvisa – Publicado manual de análise de processo de importação

 

ALESP – Dia da Conscientização sobre a Síndrome de Edwards

 

ALESP – Deputados elegem presidente da Comissão de Saúde

 

ALESP – CPI aprova convite a secretário adjunto de Saúde

 

Câmara dos Deputados – ANTT avalia ressarcimento a municípios por atendimento médico em caso de acidentes

 

Câmara dos Deputados – Audiência discute funcionamento de aplicativo de nutrição no Brasil

 

Câmara dos Deputados – Câmara entrega do Prêmio Dr. Pinotti

 

Câmara dos Deputados – Comissões promovem debate sobre câncer de fígado

 

Câmara dos Deputados – Audiência debaterá regulamentação da troca de medicamentos biológicos por biossimilares

 

Senado Federal – Telmário Mota cobra liberação de recursos para saúde de índios

 

Estado de S.Paulo – Expor bebê para fortalecer seu sistema imunológico é equívoco, garante pediatra do Hospital Leforte

 

Estado de S.Paulo – Até quinta-feira, grupos prioritários podem se vacinar na estação das Clínicas do Metrô

 

Estado de S.Paulo – Mais do mesmo na saúde brasileira

 

Estado de S.Paulo – Governo flexibiliza uso de unidades de saúde construídas com verba federal

 

Estado de S.Paulo – STJ considera indevida indenização à família de ex-fumante

 

Estado de S.Paulo – Menos de 1/3 de 23 mil produtos comercializados são considerados saudáveis, diz ONG holandesa

 

Folha de S.Paulo – Câmara de SP pode aprovar auxílio-saúde e alimentação para vereadores

 

Folha de S.Paulo – Pacientes com ebola fogem de hospital na República Democrática do Congo

 

Folha de S.Paulo – Fadlo Fraige Filho: Precisamos desacelerar o avanço do diabetes tipo 2 no Brasil

 

Folha de S.Paulo – Exame baseado em inteligência artificial pode ajudar a achar tratamento contra o câncer

 

Folha de S.Paulo – Contato com germes pode prevenir leucemia em crianças, diz estudo

 

Folha de S.Paulo – Ministro da saúde diz que rótulos alertarão sobre alto teor de açúcar

 

G1 – Relatório da Human Rights Watch considera degradante tratamento a deficientes em instituições do Brasil

 

G1 – Três pessoas morrem todos os dias à espera de UTI no RJ

 

G1 – Por que cientistas acreditam que você pode estar fazendo suas refeições nas horas erradas?

 

G1 – Coração é o terceiro órgão mais transplantado no Brasil

 

G1 – Fake news tiveram influência na vacinação contra a febre amarela no Brasil, diz chefe da OMS

 

G1 – Contato com germes pode prevenir leucemia em crianças, diz estudo

 

G1 – Indaiatuba inicia liberação da nova geração do Aedes geneticamente modificado nesta quarta-feira

 

G1 – Crianças são as menos vacinadas contra a gripe, diz Ministério da Saúde

 

G1 – O que é a menopausa precoce e por que ela acontece?

 

O Globo – ONG internacional denuncia abrigos brasileiros ‘desumanos’ para pessoas com deficiência

 

O Globo – Uma em cada oito pessoas terá diabetes tipo 2 em 2045

 

Zero Hora – Hospital Vila Nova recebe 33 novos leitos de retaguarda para ampliação do atendimento

 

Zero Hora – Governo quer acordo para reduzir açúcar de produtos como bolos, achocolatados e refrigerantes

 

Correio Braziliense – Crenças impedem que doentes de Ebola procurem hospitais no Congo

 

Correio Braziliense – Casos de excesso de peso e diabetes 2 avançam e preocupam especialistas

 

Correio Braziliense – Câncer que matou blogueira Nara Almeida atinge mais os homens

 

Correio Braziliense – Prévia oficial da inflação desacelera e fica em 0,14% em maio, diz IBGE

 

Correio Braziliense – Sem condições, sistema de saúde de Gaza atende a feridos de guerra

 

Correio Braziliense – Quanto maior é o acesso à publicidade, maiores são as chances de obesidade

 

Valor Econômico – Remédios, conta de luz e gasolina são destaques de alta no IPCA-15

 

Valor Econômico – Redução de gasto na Saúde afeta mortalidade infantil, diz estudo

 

UOL – Governo deve R$ 21 bi ao SUS

 

JOTA – Magistrados discutem mecanismos para reduzir judicialização na saúde

 

Desacato – Temer oficializa o fim dos repasses para o programa “Farmácia Popular”

 

Panorama Farmacêutico – Governo do ES inaugura nova sede da Farmácia Cidadã

 

Tribuna de Minas – Santa Casa de Juiz de Fora promove aula sobre glaucoma congênito

 

Página 20 – Alan Rick participa de fórum sobre doenças raras no Senado Federal

 

____________________________________________________________________________

 

O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.