FROTA AEROAGRÍCOLA BRASILEIRA CRESCEU 46,2% EM DEZ ANOS, DIZ SINDAG

//FROTA AEROAGRÍCOLA BRASILEIRA CRESCEU 46,2% EM DEZ ANOS, DIZ SINDAG
Atualmente, o Brasil tem a segunda maior frota aeroagrícola do planeta. São 2.115 aeronaves, sendo 2.108 aviões e sete helicópteros, de acordo com o estudo concluído pelo engenheiro agrônomo e consultor do Sindag Eduardo Cordeiro de Araújo, a partir de números levantados em janeiro, junto ao Registro Aeronáutico Brasileiro da Anac. Conforme o portal Farming Brasil, os dados apontam um crescimento de 1,5% (32 aeronaves) na frota aeroagrícola em 2017. O que representa ainda um acumulado de 46,2% nos últimos 10 anos. De acordo com o Sindag, Minas Gerais foi o Estado que teve o maior crescimento (15,5 %), passando de 71 aeronaves em 2016 para 82 em 2017. Já a Bahia, que tinha 99 aeronaves em 2016, terminou 2017 com 88 (- 11%). Isso entre oscilações oriundas tanto da entrada e saída de aviões do mercado, quanto transferência de aeronaves entre Estados. A brasileira Embraer continua dominando o mercado, respondendo por 59,4 % da frota (1.256 aviões) com as variantes de seu modelo Ipanema. O estudo de Araújo avalia o crescimento da participação de aeronaves turboélice no mercado nacional e a idade média da frota brasileira.

Frota aeroagrícola mundial

A frota aeroagrícola brasileira está atrás apenas dos Estados Unidos, que possuem 3,6 mil aeronaves agrícolas, segundo sua Agência Federal de Aviação. O portal Farming Brasil frisa ainda que conforme a Associação Nacional de Aviação Agrícola norte-americana, 87% da frota de lá é composta por aviões e outros 14% são helicópteros. Além disso, o país possui 1.350 empreendimentos aeroagrícolas, onde 94% dos proprietários são também pilotos – e há outros 1,4 mil pilotos não empresários. Outras duas potências continentais, o México conta com cerca de 2 mil aviões e helicópteros agrícolas e a Argentina tem em torno de 1,2 mil aeronaves atuando no setor – e vem trabalhando para renovar cerca de 400 delas. “No trato a lavouras, a rapidez e precisão do avião ou helicóptero são essenciais para evitar a proliferação de pragas e doenças, permitem a aplicação dentro da “janela” ideal das condições climáticas do dia e outras vantagens, que também significam, muitas vezes, a redução do uso de produtos químicos. Sem falar que não há perdas por amassamento nas lavouras (não há equipamento rodando entre as plantas)”, ressalta a publicação.

Projeto proíbe pulverização aérea de defensivos agrícolas no PR

Um projeto do deputado estadual Tadeu Veneri (PT) proíbe a pulverização aérea de defensivos agrícolas nas plantações do Paraná, a partir de dados da OMS mostrando que menos de 1% das plantas são efetivamente atingidas pela pulverização e que o alcance do defensivo pode chegar a até 32 quilômetros de distância do alvo original. Os produtos se disseminam ao redor pelas correntes de ar e têm impacto direto na saúde da população e no meio ambiente em geral. O Rede Sul de Notícias destaca que por conta do elevado percentual de perda durante a pulverização aérea, que pode chegar a mais de 80% e atingir localidades distantes, o volume necessário de veneno para aniquilar insetos e outras espécies acaba sendo muito maior. O mapa “Brasil, Uso de Agrotóxicos” mostra que, no período de 2012 a 2014, o Brasil utilizou um média 8,33 kg de agrotóxico por hectare cultivados. Veneri observou que vários municípios do Estado já aprovaram leis vetando a pulverização aérea. “Estudo do Ipardes aponta que o volume de defensivos nas lavouras paranaenses tem aumentado significativamente assim como os registros médicos de intoxicação por defensivos”, frisa o texto.

Erro no sistema de banco público prejudica 4,9 mil pequenos agricultores

Um erro do Banco do Nordeste prejudicou 4.982 clientes do grupo B do Programa de Fortalecimento da Agricultura Familiar. Eles estão sendo cobrados por um benefício concedido indevidamente em 2013. De acordo com a Folha de S.Paulo, o erro atingiu agricultores familiares do semiárido e gerou uma dívida média de R$ 892 para cada. Pelas regras do Pronaf B, os agricultores têm direito a um benefício até atingirem um valor considerado teto. O superintendente de Microfinanças e Agricultura Familiar da instituição, Alex Araújo, diz que em 2013 esse teto era de R$ 12 mil. “O sistema do banco, contudo, concedeu um desconto no valor a ser amortizado para 4.982 agricultores que haviam ultrapassado o teto. O erro gerou o repasse indevido de cerca de R$ 4,4 milhões. O banco até agora conseguiu receber de 1,1 mil agricultores, o que corresponde a cerca de R$ 980 mil. Outra atitude que a instituição está tomando é instruir os funcionários que vão às propriedades rurais para explicarem os motivos do erro”, afirma a reportagem.

NA IMPRENSA
Mapa – Recuperação de floresta degradada gera lucro e preservação na Amazônia

Mapa – Começa o treinamento para certificação de barcos e atracadouros

Mapa – Mapa realiza operação para evitar fraudes em pescados

MMA – Prêmio A3P divulga instituições inscritas

Embrapa – Estudo metabolômico das Famílias Anacardiaceae (caju, cajá, umbu) e Bromeliaceae (abacaxi) é tema de pesquisa

Embrapa – Publicação indica passo a passo para explorar árvore nativa em sistemas integrados

Câmara dos Deputados – Comissão Externa do Endividamento Agrícola reúne-se nesta terça para definir plano de trabalho

Folha de S.Paulo –  Correção: Tribunal derruba decisão que impedia exportação de boi vivo

Folha de S.Paulo – Mercosul tem de funcionar para países menores, diz candidato paraguaio

Folha de S.Paulo – Erro no sistema de banco público prejudica 4,9 mil pequenos agricultores

Folha de S.Paulo – Vaivém das Commodities – Seca na Argentina eleva aposta em alta da soja

G1 – Família troca cidade pelo campo e passa a vender 50 mil cocadas por mês, em RO

G1 – Fazendeiro é feito refém e tem defensivos agrícolas roubados em Uberaba

O Estado de S.Paulo – Salão do Queijo em Paris será palco das tendências mundiais

O Estado de S.Paulo – Uso de recursos hídrico chega à Justiça

Valor Econômico – Mosaic registrou prejuízo líquido de US$ 431 milhões no 4º tri de 2017 

Valor Econômico – Piscicultura em expansão 

Valor Econômico – Com nova granja, Agroceres PIC completa ciclo de investimentos

Valor Econômico – Castlelake, dos EUA, avalia usina da Renuka 

Valor Econômico – Seca na Argentina motiva alta de grãos e ‘destrava’ o mercado de soja no Brasil 

Valor Econômico – Commodities Agrícolas 

Zero Hora – É preciso rapidez no caso da Cotrijui em razão da safra

Rede Sul de Notícias – Projeto proíbe pulverização aérea de agrotóxicos no PR

Portal do Agronegócio – Estiagem compromete lavouras de milho catarinenses

Portal do Agronegócio – Carne bovina: carne sem osso em alta pela primeira vez no atacado em 2018

Portal do Agronegócio – Zoetis comemora cinco anos com produtos inovadores e crescimento sólido

Portal do Agronegócio – Iniciativa 2,4-D abre a programação de treinamentos de 2018 em Bagé, RS

Portal do Agronegócio – Curso básico de Drones na Agricultura acontece em São Paulo

Portal do Agronegócio – Seguro rural garante proteção para lavouras de arroz

Portal do Agronegócio – Mil famílias de produtores rurais iniciam projeto Encadeamento Produtivo em 2018

Portal do Agronegócio – Dia de campo mostra pecuária leiteira na ILPF no Portal da Amazônia

Farming – Frota aeroagrícola brasileira cresceu 46,2% em dez anos, diz Sindag

Info Net – Sema e Emdagro fiscalizarão comércio de agrotóxicos

Agrolink – Grupo Wegener produziu mais de seis mil toneladas de soja sustentável na safra 2016/2017

Agrolink – Etanol/Cepea: cotações voltam a subir em SP

Agrolink – Trigo/Cepea: preços continuam sem direção definida

Agrolink – Esmagamento de soja em Mato Grosso cresce 21,8% em comparação com média dos últimos 5 anos

____________________________________________________________________________

O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.