FALTA DE MEDICAMENTOS NO SUS CHEGA A 18% EM MINAS GERAIS

//FALTA DE MEDICAMENTOS NO SUS CHEGA A 18% EM MINAS GERAIS
Para pacientes que buscam por muitos dos remédios que integram o programa Farmácia de Todos, do governo de Minas Gerais, que prevê a entrega das fórmulas por meio do SUS, dificuldades financeiras enfrentadas pelo estado, atrasos de fornecedores nas entregas e licitações fracassadas têm deixado os estoques em falta para 18% dos medicamentos, indicados para mais de 50 doenças. Segundo o portal Estado de Minas, o déficit, que chegou a 16% em 2015 e a 17% em 2016, corresponde atualmente à falta de 64 itens em uma relação de 355. O diagnóstico de falta dos produtos coincide com a criação, pelo Ministério da Saúde, da Base Nacional de Dados da Assistência Farmacêutica, anunciada no fim de outubro, para permitir melhor planejamento para compra, controle da data de validade e remanejamentos, com possibilidade de evitar desperdícios de até 30%. “Em Minas, a baixa nas prateleiras tem feito muita gente sair de mãos vazias e com a cabeça cheia de preocupação da farmácia pública mantida pela Secretaria de Estado de Saúde no Bairro Santo Agostinho, em Belo Horizonte. Sem os medicamentos, há quem precise interromper o tratamento, diante da impossibilidade de pagar pelas fórmulas. Os desafios da assistência farmacêutica em Minas têm sido pauta de encontros de representantes da Secretaria de Estado da Saúde com entidades ligadas ao setor”, diz o portal.

Repasses financeiros para compra de medicamentos em Minas Gerais se encontram regulares, afirma Ministério da Saúde

Ainda de acordo com o Estado de Minas, a Secretaria de Estado da Saúde informou que alguns dos medicamentos apresentam dificuldade de aquisição em virtude de problemas de produção, falta de matéria-prima ou registro. Porém, a Saúde estadual sustenta que a atual situação de déficit é atípica e tem como origem, a crise financeira enfrentada pelo estado. Sobre a Base Nacional de Dados da Assistência Farmacêutica criada pelo Ministério da Saúde, a pasta informa que usa métodos eficientes para a gestão dos medicamentos desde 2009, e que não haverá mudanças significativas nesse aspecto. No estado, o processo é feito por meio de um sistema informatizado, planejado exclusivamente para a área, o Sistema Integrado de Gerenciamento da Assistência Farmacêutica. Ainda em nota, o Ministério da Saúde informou que os repasses financeiros para compra de medicamentos em Minas Gerais se encontram regulares. “Além da falta de medicamentos, outra questão desafia a saúde pública no estado e divide opiniões: a judicialização para acesso a produtos farmacêuticos. Ações na Justiça são impetradas quando o usuário pleiteia remédios não padronizados pelo SUS ou que se encontram em falta, para que o poder público seja obrigado fornecê-los.  A Secretaria de Estado da Saúde defende o respeito à fila e alerta que, quando alguém entra na Justiça para obter um tratamento específico, recursos coletivos acabam destinados a um único caso, o que pode comprometer a gestão de verbas”, frisa o texto.

Michel Temer proibirá abertura de novos cursos de medicina

O governo de Michel Temer irá decretar uma moratória para impedir a abertura de novos cursos de medicina no país. O prazo será de cinco anos. De acordo com Monica Bergamo, da Folha de S.Paulo, o ministro Mendonça Filho (DEM-PE), da Educação, confirma a informação. “Há um clamor dos profissionais de medicina para que se suspenda por um período determinado a abertura de novas faculdades, em nome da preservação da qualidade do ensino”, diz Mendonça. Segundo ele, o decreto para a adoção da medida já está na mesa do presidente, que deve assiná-lo até o fim deste ano. Segundo ele, dois editais em andamento para a abertura de novos cursos, lançados ainda no governo de Dilma Rousseff, serão concluídos.

Primeira edição de genes dentro do corpo é testada por cientistas dos EUA

Reportagem da Folha de S.Paulo ressalta que cientistas americanos tentaram pela primeira vez editar um gene dentro do corpo de um paciente. O esforço ousado visava a mudar permanentemente o DNA da pessoa na busca pela cura de uma doença. A experiência foi realizada na segunda-feira (13), na Califórnia, e o paciente envolvido se chama Brian Madeux, 44. Por meio uma sonda intravenosa, ele recebeu bilhões de cópias de um gene corretivo e de uma ferramenta genética para cortar seu DNA em um determinado ponto. Madeux, que sofre de uma doença metabólica chamada síndrome de Hunter, disse ser o primeiro a testar o método. Sinais de que o método está ou não funcionando podem surgir dentro de um mês. Testes determinarão com precisão os resultados daqui a três meses. Se a intervenção tiver sucesso, representará um grande estímulo para o campo incipiente da terapia genética. Cientistas já editaram genes de pacientes, alterando células em laboratório e devolvendo-as aos pacientes. Também existem terapias genéticas que não envolvem edição do DNA. Esses métodos só podem ser usados para alguns poucos tipos de doença. Os resultados de alguns deles podem não ser duradouros. “A experiência não tem conexão com outros trabalhos, mais controversos, que estão em debate, com o objetivo de tentar editar genes em embriões humanos para bloquear doenças antes do nascimento”, afirma a Folha.

SAÚDE NA IMPRENSA
Ministério da Saúde – Ministério da Saúde debate normas estruturantes para o DigiSUS em evento na Inglaterra

Ministério da Saúde – Seminário comemora dez anos do Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes 

Ministério da Saúde – Brasil apresenta experiência no controle da tuberculose em encontro internacional 

Ministério da Saúde – Saúde recebe contribuições para novo guia alimentar para menores de 2 anos 

Ministério da Saúde – Pacientes com Parkinson contarão com novos medicamentos no SUS

ANS – ANS arrecadou R$ 303,6 milhões em multas em 2017 

Anvisa – Soro contra picada de animais ganha regra específica 

Anvisa – Anvisa reitera razões para proibir aditivos em cigarros 

Anvisa – O que queremos para a vigilância sanitária no Brasil?

Fiocruz – Inscrições abertas para o Curso de Especialização em Monitoria de Ensaios Clínicos 

Fiocruz – Brasília: contribuições da bioinformática para Leishmaniose é tema de workshop (30/11)

Fiocruz – Curso internacional sobre Espectroscopia no IOC recebe inscrições até 7/12 

ALESP – Estudantes de Medicina da USP entram em greve 

ALESP – Taiaçu recebe verba para compra de ambulância

ALESP – Cremesp e médicos são homenageados na Assembleia 

Câmara dos Deputados – Comissão rejeita proposta sobre convênios do SUS com clínicas geriátricas

Câmara dos Deputados – Comissão aprova cadastro para cuidadores de idosos e pessoas com deficiência

Câmara dos Deputados – Comissão prioriza matrícula escolar de pessoa com deficiência

Folha de S.Paulo – Sistema de saúde carioca pena com escassez de verba

Folha de S.Paulo – Primeira edição de genes dentro do corpo é testada por cientistas dos EUA 

Folha de S.Paulo – Composto nutricional ajuda pacientes com alzheimer em estágio inicial 

Folha de S.Paulo – O que é a inflamação rara que fez bebê mexicano chegar aos 28 kg com dez meses de idade

G1 – O que é a Dpoc, doença pulmonar silenciosa que mata 3 milhões de pessoas por ano e não tem cura

G1 – Primeira infecção por zika garante proteção em 2º contágio, diz pesquisa 

G1 – Vício em celular chega a consultórios e já preocupa médicos no Brasil 

G1 – Cientistas curam diabetes tipo 1 de ratos com células-tronco 

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.