CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL MUDA REGRA DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA CRÉDITO RURAL

//CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL MUDA REGRA DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA CRÉDITO RURAL

O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou uma redução no percentual de direcionamento para aplicação em crédito rural dos recursos captados na forma de poupança rural, de 65% para 60%. É o que informa o Valor Econômico. O CMN também ampliou o universo de instituições autorizadas a captar recursos por meio de Depósito Interfinanceiro Vinculado ao Crédito Rural, permitindo que bancos múltiplos sem carteira comercial, bancos de investimento, bancos de desenvolvimento e o BNDES operem como depositante e como depositários de DIR, o que confere mais opções à disposição dos tomadores de crédito rural. “O CMN estabeleceu, ainda, uma transição gradual das deduções dos saldos das operações de crédito rural renegociadas ao amparo do Programa Especial de Saneamento de Ativos sobre a base de cálculo de cada uma das subexigibilidades para o Pronaf (agricultura familiar) e para o Pronamp (médios produtores), de forma a permitir uma adaptação gradual à nova regra. Também foi autorizada pelo CMN que a subexigibilidade de 20% definida para o Pronaf seja cumprida, com operações de custeio de até R$ 360 mil não vinculadas ao programa”, afirma parte da reportagem.

É hora de incluir o cacto no cardápio, recomenda a FAO

Está na hora de colocar cactos no menu, especialmente nas áreas secas, como ocorre no Nordeste brasileiro. A recomendação é da FAO, Agência das Nações Unidas para agricultura e alimentação, depois de reunião com especialistas. Para a agência, o cacto precisa ser considerado um ativo valioso para alimentação humana, forragem para o gado bovino e fonte de água. As folhas da planta estocam água. São capazes de fornecer até 180 toneladas de água por hectare, o suficiente para matar a sede de cinco vacas adultas. Conforme o Valor, a maior parte dos cactos não é comestível, mas a espécie Opuntia tem muito a oferecer, sobretudo se for tratada como uma cultura, e não como erva daninha selvagem, conforme a FAO. Os cactos, que a agência da ONU trata como fruta, são originários do México. A subespécie Opuntia ficus-indica, de origem agrícola, é cultivada em 26 países. “A mudança climática e os crescentes riscos de secas são fortes razões para melhorar o status do cacto”, diz Hans Dryer, diretor de plantas produtivas, em nota da FAO. Segundo Ali Nefzaoui, pesquisar do ICarda, Centro Internacional para Pesquisa Agrícola em Áreas Secas, na Tunísia o cacto é “uma das culturas mais proeminentes para o século 21”.

Comissão aprova critérios para dispensa de registro sanitário de vacinas, inseticidas e medicamentos

A Comissão de Seguridade Social e Família aprovou o Projeto de Lei 5994/16, do deputado Marcus Pestana (PSDB-MG), que fixa critérios para a dispensa de registro sanitário para vacinas, inseticidas e medicamento adquiridos pelo governo brasileiro por intermédio de organismos multilaterais internacionais. E o que informa o portal da Câmara dos Deputados. O autor explica que a dispensa de registro hoje pode ser concedida pela Anvisa para produtos adquiridos pelo Brasil utilizando o fundo rotativo da Organização Pan-Americana de Saúde da Organização Mundial de Saúde. A proposta altera essa lei e estabelece que a dispensa só seja concedida quando não existir no Brasil outro produto devidamente registrado com os mesmos princípios ativos, em condições de suprir a demanda interna. “O texto também cria requisitos para que esses produtos possam ser internalizados no País após a dispensa do registro sanitário junto à Anvisa. A agência avaliara e emitira parecer favorável sobre a comprovação de segurança, eficácia e qualidade do produto; deverá ser comprovado que o produto possui o registro no país de origem; e, deverá existir comprovação de que o fornecedor e o detentor do registro estão no pleno exercício de seus direitos legais”, destaca a publicação.

Contag: Ajustes em reforma abrem espaço para alterar aposentaria rural

Em nota intitulada “governo mente sobre a reforma da Previdência”, a Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares (Contag) se posicionou contra mudanças nas regras previdenciárias e informou que elas abrem espaço para alteração futuras, por leis ordinárias, na Previdência rural, permitindo a criação de uma contribuição individual para o trabalhador rural. Segundo o Valor, no novo texto, mais enxuto para reduzir resistências à votação na Câmara dos Deputados, o governo manteve a idade mínima de aposentadoria do produtor rural em 60 anos, homem, e 55, mulher, e manteve a possibilidade desses trabalhadores contribuírem com base na comercialização de sua produção. A Contag é contrária à reforma apresentada pelo governo com base na emenda aglutinativa e reforça a defesa da manutenção da contribuição previdenciária dos agricultores familiares com base na venda da produção, beneficiando a família; da aposentadoria dos rurais (assalariados, assalariadas, agricultores e agricultoras familiares); e da manutenção explícita da comprovação de atividade rural para o acesso aos benefícios previdenciários rurais.

NA IMPRENSA

Mapa – Especialistas estudam ações para evitar entrada de pragas quarentenárias no Brasil

MMA – Acordo promoverá turismo ecológico no país

MMA – Diário Oficial deixa de circular em papel

MMA – Ministério atualiza áreas prioritárias na Zona Costeira

MMA – Zona costeira tem novo plano de ação federal

Embrapa – Emater e Embrapa realizam Giro Técnico em 23 municípios do Paraná

Embrapa – Dia de Campo mostra alternativas de produção de forragem para épocas secas

Câmara dos Deputados – Comissão aprova critérios para dispensa de registro sanitário de vacinas, inseticidas e medicamentos

Câmara dos Deputados – Comissão permite criação de animais de grande porte em reserva extrativista

Senado Federal – Aprovada data comemorativa para reservas ambientais particulares

Folha de S.Paulo – Infraero cancela investimento de R$ 1,5 bilhão no aeroporto do Galeão

Folha de S.Paulo – Chineses assumem 20% do mercado de sementes de milho no Brasil

G1 – Chuva de granizo causa prejuízo de milhões de reais a produtores rurais em Rio Parabaíba

O Estado de S.Paulo – Banco do Brasil terá R$ 7 bilhões a mais para emprestar a clientes

O Estado de S.Paulo – Planejamento – é possível mudar?

Valor Economico – Contag: Ajustes em reforma abrem espaço para alterar aposentaria rural

Valor Economico – EUA elevam mandato de biocombustíveis para 2018

Valor Economico – Ibama descarta 10 toneladas de peixe podre no Aeroporto de Guarulhos

Vaalor Economico – Faturamento da Cocamar deve fechar 2017 ao redor dos R$ 4 bilhões

Valor Economico – Receita do setor de defensivos deve cair até 7% ante 2016, diz Andef

Valor Economico – CNA quer impedir aumento da alíquota de importação de agrotóxicos

Valor Economico – Nova versão de PL de cultivares ainda enfrenta resistência

Valor Economico – Exportação global de café recuou 11,4% em outubro, informa OIC

Valor Economico – CMN muda regra de captação de recursos para crédito rural

Valor Economico – EUA elevam mandato para biocombustíveis

Valor Economico – Demanda fraca aprofunda queda das cotações do leite

Valor Economico – Preços de açúcar e suco reagem, mas seguem abaixo de 2016

Valor Economico – Pátria compra sua primeira fazenda

Valor Economico – É hora de incluir o cacto no cardápio, recomenda a FAO

Valor Economico – É hora de incluir o cacto no cardápio, recomenda a FAO

Zero Hora – Preocupação ambiental caracteriza nova geração de produtores rurais

Zero Hora – Máquinas voadoras, robôs e casa sobre rodas: crianças projetam o campo do futuro

O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou uma redução no percentual de direcionamento para aplicação em crédito rural dos recursos captados na forma de poupança rural, de 65% para 60%. É o que informa o Valor Econômico. O CMN também ampliou o universo de instituições autorizadas a captar recursos por meio de Depósito Interfinanceiro Vinculado ao Crédito Rural, permitindo que bancos múltiplos sem carteira comercial, bancos de investimento, bancos de desenvolvimento e o BNDES operem como depositante e como depositários de DIR, o que confere mais opções à disposição dos tomadores de crédito rural. “O CMN estabeleceu, ainda, uma transição gradual das deduções dos saldos das operações de crédito rural renegociadas ao amparo do Programa Especial de Saneamento de Ativos sobre a base de cálculo de cada uma das subexigibilidades para o Pronaf (agricultura familiar) e para o Pronamp (médios produtores), de forma a permitir uma adaptação gradual à nova regra. Também foi autorizada pelo CMN que a subexigibilidade de 20% definida para o Pronaf seja cumprida, com operações de custeio de até R$ 360 mil não vinculadas ao programa”, afirma parte da reportagem.É hora de incluir o cacto no cardápio, recomenda a FAO

Está na hora de colocar cactos no menu, especialmente nas áreas secas, como ocorre no Nordeste brasileiro. A recomendação é da FAO, Agência das Nações Unidas para agricultura e alimentação, depois de reunião com especialistas. Para a agência, o cacto precisa ser considerado um ativo valioso para alimentação humana, forragem para o gado bovino e fonte de água. As folhas da planta estocam água. São capazes de fornecer até 180 toneladas de água por hectare, o suficiente para matar a sede de cinco vacas adultas. Conforme o Valor, a maior parte dos cactos não é comestível, mas a espécie Opuntia tem muito a oferecer, sobretudo se for tratada como uma cultura, e não como erva daninha selvagem, conforme a FAO. Os cactos, que a agência da ONU trata como fruta, são originários do México. A subespécie Opuntia ficus-indica, de origem agrícola, é cultivada em 26 países. “A mudança climática e os crescentes riscos de secas são fortes razões para melhorar o status do cacto”, diz Hans Dryer, diretor de plantas produtivas, em nota da FAO. Segundo Ali Nefzaoui, pesquisar do ICarda, Centro Internacional para Pesquisa Agrícola em Áreas Secas, na Tunísia o cacto é “uma das culturas mais proeminentes para o século 21”.

Comissão aprova critérios para dispensa de registro sanitário de vacinas, inseticidas e medicamentos

A Comissão de Seguridade Social e Família aprovou o Projeto de Lei 5994/16, do deputado Marcus Pestana (PSDB-MG), que fixa critérios para a dispensa de registro sanitário para vacinas, inseticidas e medicamento adquiridos pelo governo brasileiro por intermédio de organismos multilaterais internacionais. E o que informa o portal da Câmara dos Deputados. O autor explica que a dispensa de registro hoje pode ser concedida pela Anvisa para produtos adquiridos pelo Brasil utilizando o fundo rotativo da Organização Pan-Americana de Saúde da Organização Mundial de Saúde. A proposta altera essa lei e estabelece que a dispensa só seja concedida quando não existir no Brasil outro produto devidamente registrado com os mesmos princípios ativos, em condições de suprir a demanda interna. “O texto também cria requisitos para que esses produtos possam ser internalizados no País após a dispensa do registro sanitário junto à Anvisa. A agência avaliara e emitira parecer favorável sobre a comprovação de segurança, eficácia e qualidade do produto; deverá ser comprovado que o produto possui o registro no país de origem; e, deverá existir comprovação de que o fornecedor e o detentor do registro estão no pleno exercício de seus direitos legais”, destaca a publicação.

Contag: Ajustes em reforma abrem espaço para alterar aposentaria rural

Em nota intitulada “governo mente sobre a reforma da Previdência”, a Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares (Contag) se posicionou contra mudanças nas regras previdenciárias e informou que elas abrem espaço para alteração futuras, por leis ordinárias, na Previdência rural, permitindo a criação de uma contribuição individual para o trabalhador rural. Segundo o Valor, no novo texto, mais enxuto para reduzir resistências à votação na Câmara dos Deputados, o governo manteve a idade mínima de aposentadoria do produtor rural em 60 anos, homem, e 55, mulher, e manteve a possibilidade desses trabalhadores contribuírem com base na comercialização de sua produção. A Contag é contrária à reforma apresentada pelo governo com base na emenda aglutinativa e reforça a defesa da manutenção da contribuição previdenciária dos agricultores familiares com base na venda da produção, beneficiando a família; da aposentadoria dos rurais (assalariados, assalariadas, agricultores e agricultoras familiares); e da manutenção explícita da comprovação de atividade rural para o acesso aos benefícios previdenciários rurais.

NA IMPRENSA

Mapa – Especialistas estudam ações para evitar entrada de pragas quarentenárias no Brasil

MMA – Acordo promoverá turismo ecológico no país

MMA – Diário Oficial deixa de circular em papel

MMA – Ministério atualiza áreas prioritárias na Zona Costeira

MMA – Zona costeira tem novo plano de ação federal

Embrapa – Emater e Embrapa realizam Giro Técnico em 23 municípios do Paraná

Embrapa – Dia de Campo mostra alternativas de produção de forragem para épocas secas

Câmara dos Deputados – Comissão aprova critérios para dispensa de registro sanitário de vacinas, inseticidas e medicamentos

Câmara dos Deputados – Comissão permite criação de animais de grande porte em reserva extrativista

Senado Federal – Aprovada data comemorativa para reservas ambientais particulares

Folha de S.Paulo – Infraero cancela investimento de R$ 1,5 bilhão no aeroporto do Galeão

Folha de S.Paulo – Chineses assumem 20% do mercado de sementes de milho no Brasil

G1 – Chuva de granizo causa prejuízo de milhões de reais a produtores rurais em Rio Parabaíba

O Estado de S.Paulo – Banco do Brasil terá R$ 7 bilhões a mais para emprestar a clientes

O Estado de S.Paulo – Planejamento – é possível mudar?

Valor Economico – Contag: Ajustes em reforma abrem espaço para alterar aposentaria rural

Valor Economico – EUA elevam mandato de biocombustíveis para 2018

Valor Economico – Ibama descarta 10 toneladas de peixe podre no Aeroporto de Guarulhos

Vaalor Economico – Faturamento da Cocamar deve fechar 2017 ao redor dos R$ 4 bilhões

Valor Economico – Receita do setor de defensivos deve cair até 7% ante 2016, diz Andef

Valor Economico – CNA quer impedir aumento da alíquota de importação de agrotóxicos

Valor Economico – Nova versão de PL de cultivares ainda enfrenta resistência

Valor Economico – Exportação global de café recuou 11,4% em outubro, informa OIC

Valor Economico – CMN muda regra de captação de recursos para crédito rural

Valor Economico – EUA elevam mandato para biocombustíveis

Valor Economico – Demanda fraca aprofunda queda das cotações do leite

Valor Economico – Preços de açúcar e suco reagem, mas seguem abaixo de 2016

Valor Economico – Pátria compra sua primeira fazenda

Valor Economico – É hora de incluir o cacto no cardápio, recomenda a FAO

Valor Economico – É hora de incluir o cacto no cardápio, recomenda a FAO

Zero Hora – Preocupação ambiental caracteriza nova geração de produtores rurais

Zero Hora – Máquinas voadoras, robôs e casa sobre rodas: crianças projetam o campo do futuro

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.